Seguidores

Sejam Todos Bem Vindos!!! Deixem seus comentários, sugestões e críticas

Parabéns Educadores e Demais Cidadãos Gaúchos!!! Yeda (Nota Zero, Déficit Zero e Aumento Salarial Zero) Já Foi Demitida, MAS, deixou seus representantes no Governo e na Assembleia Legislativa!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

LUTO

28.01.13
A vida, às vezes, dói...

O algoz, em  nuvem tóxica,  encapuzado.

O Rio Grande está de luto,

E na face rola,

Lágrimas que não tem conforto...


A surpresa vence a ação,

Lúgubre fumaça envenena,

Na busca de diversão,

Inesperado  sofrimento...


Hoje somente dor,

A saída não encontra a porta,

Desespero nos jovens semblantes,

A palavra já não conforta...


Não tem rima

Que amenize,

Incomparável dor,

O Brasil silencia...

Hoje silenciamos,

Por aqueles,

Que precocemente,

Partiram em Santa Maria!



Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo/CPERS-Sindicato.

ESTAMOS DE LUTO E NÃO PODEMOS CALAR
29/01/2013 14:38
Nesta hora tão difícil para todos nós, especialmente para os familiares e amigos dos jovens estudantes que faleceram em Santa Maria, o CPERS/Sindicato vem a público manifestar sua solidariedade e, ao mesmo tempo, cobrar do poder público e dos empresários de casas noturnas outra postura frente aos nossos jovens e a toda a população.

Aos donos de casas noturnas cabe, além de investimentos em segurança, não se deixarem levar pela ganância que faz com que muitos superlotem, irresponsavelmente, ambientes que não comportam aquela quantidade de público, visando mais e mais lucro.

Ao poder público cabe fiscalizar com responsabilidade e não mais deixar que funcionem casas noturnas sem segurança e, muito menos, sem que sequer tenham alvarás.

CPERS/Sindicato.


 

Candidatos da primeira chamada do ProUni têm até hoje para fazer matrícula 
Mariana Tokarnia, Agência Brasil - 31/01/2013 - 5h50
Brasília – Termina hoje (31) o prazo de matrícula dos candidatos pré-selecionados na primeira convocação do Programa Universidade para Todos (ProUni). Eles têm até esta quinta-feira para apresentar a documentação que comprove as informações fornecidas na inscrição e fazer a matrícula nas instituições para as quais foram selecionados.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), para esta primeira convocação, divulgada no dia 24 deste mês, foram pré-selecionados 159.177 candidatos, dos quais 107.575 para bolsas integrais e 51.602 para parciais.

No dia 8 de fevereiro, será feita a segunda chamada. O candidato deve providenciar a apresentação de documentos e a matrícula até o dia 19 do mesmo mês. Quem não for selecionado nas duas chamadas pode aderir à lista de espera na página do ProUni nos dias 24 de 25 de fevereiro.
[...]
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-31/candidatos-da-primeira-chamada-do-prouni-tem-ate-hoje-para-fazer-matricula

 


Leia no Blog Opinião Dorotéia:
Professores da rede pública poderão ter direito a merenda escolar;

Lista suja do trabalho escravo tem 409 empregadores

 

Atraso no pagamento de precatórios no Brasil chega a OEA
A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) irá analisar a situação da demora no pagamento dos precatórios no Brasil. A justificativa é que a demora acarretaria violação aos direitos humanos, o que poderá levar a uma recomendação ao país para que haja alteração legislativa que force os governos ao pagamento das condenações judiciais sofridas.

A análise será feita a partir de denuncia feita por um grupo de 1.378 credores do município de Santo André (SP) e dois contra os estados do RJ e RS. No caso do Rio Grande do Sul, os precatórios foram expedidos em 1997 e 1998 e ainda não foram pagos. Os valores chegam a R$ 138 mil e outra de R$ 27 mil, respectivamente. A denúncia foi aceita pelo órgão internacional e pede, que o pagamento dos valores devidos sejam pagos, acrescidos de indenização por danos morais.

A alegação dos denunciantes é que a legislação brasileira não possui um meio efetivo para fazer com que o Estado cumpra as decisões judiciais e pague as condenações definitivas e as decisões, portanto, não tem eficácia alguma. Por isso, argumentam que, com a morosidade em pagar os títulos públicos, o Brasil deveria ser advertido internacionalmente por violar a Convenção Americana dos Direitos Humanos.

Efeito político
Uma condenação na Corte Interamericana seria político, e poderá deixar o Brasil conhecido internacionalmente por violar os direitos humanos desses credores. Também pode ocorrer uma recomendação para se alterar a legislação relativa ao tema e afetaria a confiança dos empresários estrangeiros e investidores em geral, pois poderiam não querer colocar dinheiro em um país que viola os direitos humanos.

Péssimo exemplo do judiciário do RS
Nesse sentido, um péssimo exemplo é do próprio poder judiciário gaúcho, que aprovou, administrativamente, pagamento de verbas referente a auxílio moradia, denominado posteriormente de Parcela Autônoma de Equivalência – PAE, sem processo judicial. Segundo o Dep. Nelson Marchezan Junior, os valores, já prescritos judicialmente, estão sendo pagos ilegalmente e sem cogitação de precatório. Aliás, demonstrando a diferença de tratamento que também deveria ser denunciada na referida corte.

Assessoria de Comunicação
http://sindjus2.hospedagemdesites.ws/site/noticias.php?id=122

Fonte:
profemarli.comunidades.net
Por Siden


Hoje será discutido o Piso Nacional
MEC aproveita encontro de prefeitos para incentivar ensino integral
29.01.13
O Ministério da Educação (MEC) disponibilizou uma equipe de técnicos para orientar gestores de todo o País que participam, até quarta-feira, do Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas, em Brasília (DF). O objetivo é oferecer informações sobre a educação em cada município e incentivar a participação das administrações em programas da pasta, como o Mais Educação, que oferece educação integral para alunos do ensino fundamental e médio.

Segundo o MEC, mais de 30 mil instituições participam do programa, que amplia a jornada escolar para sete horas e oferece reforço escolar, esporte, cultura e lazer aos estudantes. A meta é atingir 60 mil escolas até 2014.

No encontro, os prefeitos podem participar de oficinas sobre diversos temas e programa oferecidos pelo MEC, como os de transporte escolar, mobiliário escolar, educação digital, merenda escolar, livro didático, educação no campo, acesso ao ensino técnico, planos nacional e municipais de educação, prestação de contas e piso salarial do professor.

O pagamento do piso, que teve reajuste anunciado este mês pelo minsitro Aloizio Mercadante, é um dos maiores pontos de conflito entre o governo federal e a Confederação Nacional dos Municípios, que critica o reajuste a partir do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). A proposta dos prefeitos é que o aumento seja baseado na inflação.

Por volta das 10h30 de terça-feira, Mercadante fará uma palestra aos prefeitos e o piso está entre os assuntos que devem ser discutidos. O MEC ainda disponibilizou um estande com materiais informativos sobre os programas da pasta.

Fonte: Portal Terra
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor do 14º Núcleo.

.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Divulgada lista parcial de mortos no incêndio em Santa Maria

Governo do Estado revisou número de mortos durante incêndio em boate para 233
27/01/2013 20:43
O governo do Rio Grande do Sul publicou lista atualizada com identificação de 185 vítimas fatais da tragédia que matou, conforme números revisados, 233 pessoas em Santa Maria. Entre os mortos no incêndio da boate Kiss, estão 120 homens e 113 mulheres. Todos os corpos foram levados para o ginásio do Centro Centro Desportivo Municipal onde é feito o reconhecimento pelos familiares.

Leia abaixo a relação de vítimas confirmadas:
Alan Rembem de Oliveira
Alexandre Anes Prado
Alisson Oliveira da Silva
Allana Willers
André Cadore Bosser
Andressa Inafa de Moura Ferreira
Andressa Thalita Farias Brissow
Ângelo Nicolosso Aita
Ariel Nunes Andreatta
Augusto Cesar Neves
Augusto Malezan de Almeida Gomes
Augusto Sergio Krauspenhar da Silva
Bárbara Moraes Nunes
Benhur Retzlaff Rodrigues
Bernardo Carlo Kobe
Bibiana Berleze
Bruna Brondani Pafhalia
Bruna Camila Graeff
Bruno Kraulich
Camila Cassulo Ramos
Carlitos Chaves Soares
Carolina Simões Corte Real
Cássio Garcez Biscaino
Cecília Soares Vargas
Clarissa Lima Teixeira
Daniel Knabbem da Rosa
Daniel Sechim
Daniela Betega Ahmadw
Daniele Dias de Mattos
Danilo Brauner Jaques
Danriei Darin
David Santiago de Souza
Débora Chiappa Forner
Deives Marques Gonçalves
Diego Comim Silvéster
Dionatham Kamphorst Paulo
Douglas da Silva Flores
Elizandor Oliveira Rolin
Emerson Cardoso Pain
Erika Sarturi Becker
Evelin Costa Lopes
Fábio José Cervinski
Felipe Vieira
Fernanda Fischer
Fernando Michel Devagarins Parcianello
Fernando Pellin
Flávia Decarle Magalhães
Franciele Soares Vargas
Gabriela Corcine Sanchotene
Gabriela dos Santos Saenger
Geni Lourenço da Silva
Giovane Krauchemberg Simões
Greicy Pazzini Bairro
Guilherme Fontes Gonçalves
Guino Ramom Brites Burro
Gustavo Ferreira Soares
Heitor Santos Oliveira
Heitor Teixeira Gonçalves
Helio Trentin Junior
Henrique Nemitz Martins
Herbert Magalhães Charão
Hericson Ávila dos Santos
Igor Stefhan de Oliveira
Ilivelton Martins Koglin
Ivan Munchem
Jacob Francisco Thiele
Jaderson da Silva
Janaina Portella
João Aluisio Treuliebe
João Carlos Barcellos Silva
João Paulo Pozzobom
João Renato Chagas de Souza
José Luiz Weiss Neto
José Manoel Rosa da Cruz
Juliana Moro Medeiros
Juliana Oliveira dos Santos
Juliana Sperone Lentz
Juliano de Almeida Farias
Kellen Pereira da Rosa
Kelli Anne Santos Azzolin
Larissa Terres Teixeira
Lauriani Salapata
Leandro Avila Leivas
Leandro Nunes da Silva
Leonardo de Lima Machado
Leonardo Lemos Karsburg
Leonardo Machado de Lacerda
Leonardo Schoff Vendrúsculo
Lincon Turcato Carabagiale
Louise Victoria Farias Brissow
Luana Behr Vianna
Lucas Fogiato
Lucas Leite Teixeira
Luciane Moraes Lopes
Luciano Ariel Silva da Silva
Luciano Tagliapetra Esperidião
Luiz Antonio Xisto
Luiz Carlos Ludin de Oliveira
Luiz Eduardo Viegas Flores
Luiz Felipe Balest Piovesan
Luiz Fernando Riva Donate
Luiza Alves da Silva
Maicon Afrolinario Cardoso
Maicon Douglas Moreira Iensen
Maicon Francisco Evaldt
Marcelo de Freitas Salla Filho
Mariana Comassetto do Canto
Mariana Moreira Macedo
Marilene Iensen Castro
Marina Kertermann Kalegari
Martins Francisco Mascarenhas de Souza Onofre
Marton Matana
Matheus de Lima Librelotto
Matheus Engert Rebolho
Matheus Pacheco Brondani
Mauricio Loreto Jaime
Melissa Bergemeier Correia
Melissa do Amaral Dalforno
Michele Dias de Campos
Micheli Froehlich Cardoso
Miguel Webber May
Mirella Rosa da Cruz
Murilo de Souza Barone Silveira
Murilo Garcez Fumaco
Natiele dos Santos Soares
Odomar Gonzaga Noronha
Otacílio Altíssimo Gonçalves
Patrícia Pazzini Bairro
Paula Batistela Gato
Pedro de Oliveira Salla
Pedro Morgental
Rafael de Oliveira Dorneles
Rafael Dias Ferreira
Rafael Quilião e Oliveira
Raquel Daiane Fischer
Rhaissa Gross Cúria
Rhuan Scherer de Andrade
Ricardo Custódio
Ricardo Dariva
Ricardo Stefanello Piovesan
Rodrigo Belling Hausen Bairros Costa
Roger Barcellos Farias
Roger Dallanhol
Rogério Cardoso Ivaniski
Rogério Floriano Cardoso
Rosabe Fernandes Rechermann
Ruan Pendenza Callegari
Sabrina Soares Mendes
Shaiana Tauchem Antoline
Silvio Beurer Junior
Suziele Cassol
Tailan Rembem de Oliveira
Tais da Silva Scaphin de Freitas
Taís da Silva Scaplin de Freitas
Tanise Lopes Cielo
Thailan de Oliveira
Thanise Correa Garcia
Thiago Amaro Cechinatto
Tiago Dovigi Cegabinaze
Uberafara Soares Bastos Junior
Vagner Rolin Marastega
Vandelcork Marques Lara Junior
Vinicios Greff
Vinicios Paglnossim de Moraes
Vinicius Silveira Marques de Mello
Vinissios Montardo Rosado
Vitória Dacorso Saccol


Identificados pela Perícia Necropapiloscópia
Andressa Ferreira Flores
Bruna Eduarda Neu
Carlos Alexandre dos Santos Machado
Francielli Araujo Vieira
FrancileVizioli
Julia Cristofali Saul
Leandra Fernandes Toniolo
Maria Mariana Rodrigues Ferreira
Pâmella de Jesus Lopes
Sandra Leone Pacheco Ernesto
Neiva Carina de Oliveira Marin
Monica Andressa Glanzel
Dulce Raniele Gomes Machado
Viviane Tólio Soares
Flávia Maria Torres Lemos
Letícia Ferraz da Cruz
Taise Carolina Vinas Silveira
Luiza Batistella Puttow
 
[...]
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=486242

 

Leia no Blog Opinião Dorotéia: 
Líder do MST é assassinado a tiros no norte fluminense;

.

Número de mortos em boate de Santa Maria chega a 245

Bombeiros retiram os últimos corpos do local da tragédia
27/01/2013 11:19
Incêndio em boate de Santa Maria deixou, pelo menos, 245 mortos
Crédito: João Vilnei / Especial / CP
O número de mortos após o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, no Centro do Estado, chegou a 245, informou no final da manhã deste domingo a Brigada Militar (BM). O número foi divulgado pelo major do Batalhão de Operações Especiais (BOE), Cleberson Braida Bastianello.

O vice-prefeito José Haidar Farret, lamentou a tragédia. “Essa cidade universitária jamais passou por isso. Ainda ontem assistíamos a escolha da rainha do carnaval e hoje, no mesmo Centro Desportivo, estamos recolhendo os corpos”, lamentou. A prefeitura decretou luto oficial por 30 dias.

Segundo informações preliminares, cerca de mil pessoas estariam na casa noturna, que fica na Rua dos Andradas, quando ocorreu o incêndio. Os corpos foram levados a um ginásio da cidade para identificação. Os nomes, no entanto, só serão confirmados pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) após autorização de familiares. "É normal que a pessoa deixe os documentos com outra pessoa às vezes, e não podemos liberar um corpo sem que haja contato visual, além da perícia", disse o major. Muitas pessoas morreram em hospitais da região, mesmo após serem resgatadas.

O governador Tarso Genro deve chegar em Santa Maria no final da manhã. "Domingo triste! Estamos tomando as medidas cabíveis e possíveis. Estarei em Santa Maria no final da manhã", escreveu no twitter. "É uma tragédia gravíssima que enluta o Rio Grande, enluta o Brasil, enluta a cidade", disse Tarso, que cursou Direito na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), onde também deu início a carreira política. A presidente Dilma Rousseff também irá ao município nesta tarde.

Uma das suspeitas é de que as chamas tenham começado por volta das 3h com um sinalizador disparado no palco. Segundo o Corpo de Bombeiros, o instrumento encostou em uma forração de isopor. Ainda conforme a corporação, os extintores de incêndio não estavam funcionando e havia apenas uma saída para os frequentadores - a porta principal - e houve tumulto na tentativa de fuga.

Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=486178

.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Reunião de prefeitos em Brasília deve focar em metas para educação

Da Agência Brasil - 25.01.13
No encontro com prefeitos de todo o país, na próxima semana, o governo federal buscará fortalecer a parceira com as prefeituras para cumprir metas na área de educação, como a de construir seis mil creches e pré-escolas até 2014. A reunião com os prefeitos empossados no início do mês foi idealizada para apresentar os programas federais executados em parceria com as prefeituras.

A instalação de novas quadras esportivas e a destinação de royalties do petróleo para a educação foram incluídos na pauta, de acordo com a ministra da Relações Institucionais, Ideli Salvatti. A meta de construir seis mil unidades de educação infantil até 2014 foi assumida pela presidenta Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral. A ação, no entanto, depende de parceira com as prefeituras, responsáveis pela educação infantil.

Segundo levantamento do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação até outubro de 2012 foram firmados contratos para 3.019 unidades. Atualmente, 1.195 estão concluídas ou em fase de conclusão. Para este ano, há previsão de investimento em mais 1,5 mil unidades de educação infantil. Para acelerar a construção, o governo lançou em dezembro de 2012 editais para abertura de licitações que permitem às prefeituras usar métodos alternativas à alvenaria, como pré-moldados, a fim de diminuir o prazo de conclusão das unidades.

A educação vai ter enfoque claro na questão das creches, das quadras de esportes, do acesso ao ensino técnico e da educação no campo. “Está sendo escolhido aquilo que é realizado em conjunto com as prefeituras. A ordem foi muito clara: ser objetivo, direto e concreto”, disse hoje (23) a ministra Salvatti.
Fonte: Sul 21

Opinião do Blog 14º Núcleo CPERS/Sindicato:

Deveria ser incluída também na pauta a questão do Piso nacional, já que muitos municípios não cumprem a Lei. Existem municípios que pagam o Piso, mas descumprem o item hora atividade.

Outras administrações municipais não pagam o Piso Nacional nem cumprem a hora atividade.

No RS, o Governo Tarso continua FORA DA LEI!  Tenta iludir a sociedade gaúcha com Completivo Salarial.

A quem a administração estadual acha que engana?
 
O PISO É LEI! CUMPRA-SE A LEI!

Leia no Blog Opinião Dorotéia:


Líder do MST é assassinado a tiros no norte fluminense;
 

EM 72,5% DAS ESCOLAS BRASILEIRAS NÃO HÁ BIBLIOTECA

 

Merendeiros e serventes de escolas estaduais protestam no Rio
 Agência Brasil - 25/01/2013 - 22h23
Rio de Janeiro - Funcionários administrativos de escolas estaduais do Rio de Janeiro protestaram hoje (25), pela terceira vez em menos de 15 dias, contra a ameaça de transferência para outras unidades pela Secretaria de Estado de Educação. Em nota, o Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), informou que merendeiros e serventes com mais de 25 anos de trabalho nas escolas estaduais de municípios da Baixada Fluminense e do interior do estado foram convocados pelas coordenadorias metropolitanas para serem realocados em unidades distantes dos seus antigos locais de trabalho.

Uma audiência para discutir a proposta do governo ocorreu à tarde na Escola de Aperfeiçoamento dos Servidores do Estado, no Andaraí, zona norte do Rio. Segundo o coordenador geral do Sepe, Alex Trentino, o governo do estado está substituindo o profissional concursado por funcionários de empresas terceirizadas. "O governo do estado está tirando o concursado do seu local de trabalho e deslocando para regiões distantes. A vaga fica com o funcionário terceirizado, que é contratado por empresas de limpeza particulares. A nossa reivindicação foi levada ao Tribunal de Contas, o qual está separando o profissional concursado do terceirizado e dando voz à nossa questão", disse o coordenador.
[...]
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-25/merendeiros-e-serventes-de-escolas-estaduais-protestam-no-rio


Governador do Piauí anuncia reajuste de 7,97% este ano
O piso nacional era R$ 1.567,00 e o governo do Piauí pagava R$ 1.681,00
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2013 - 16:15h
O governador Wilson Martins anunciou nesta sexta (25) um reajuste linear para os professores da rede estadual. O novo piso, que já era pago acima do nacional, agora vai para R$ 1.814,98, sendo portanto um reajuste de 7,97% para todas as classes e níveis, tanto professores ativos como inativos.

Segundo o governador, o novo salário irá onerar a folha de pagamento em mais R$ 73 milhões e atinge uma quantia de 32 mil servidores em todo o estado. O novo valor já começa a valer a partir de janeiro.

- Queria pedir aos professores o empenho no sentido de na avaliação do Ideb de 2013 a gente poder continuar dando exemplo no estado do Piauí antecipando metas no que diz respeito ao índice de desenvolvimento; disse o governador.

O anúncio foi feito no Palácio de Karnak em ocasião informal para a imprensa. O estado irá fazer uma folha suplementar para suprir o novo reajuste da educação.
http://www.cnte.org.br/index.php/giro-pelos-estados/381-pi/11592-governador-anuncia-reajuste-de-797-este-anos


Ufrgs divulga lista dos aprovados no vestibular 2013
Entrega da documentação deverá ser feita de 28 de janeiro a 15 de fevereiro 
Correio do Povo - 25/01/2013 16:37
Foram conhecidos nesta sexta-feira os 5.424 estudantes aprovados no vestibular 2013 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Os nomes foram divulgados no site da universidade e também no mural do prédio anexo da Reitoria, no Campus Central, localizado na Avenida Paulo Gama, em Porto Alegre.

Já neste sábado os aprovados serão informados sobre a faixa horária para entrega dos documentos obrigatórios exigidos pela Ufrgs, que deverá ser feita de 28 de janeiro a 15 de fevereiro. Em virtude da Lei das Costas, haverá mudanças na realização das matrículas em relação aos anos anteriores.

Os calouros egressos do ensino médio de escola pública com renda familiar bruta igual ao inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita e egressos do ensino médio de escola pública com renda familiar bruta igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo nacional per capita, com autodeclaração étnico-racial preto, pardo ou índio, precisarão comprovar renda. Para esse grupo, o prazo para entrega dos documentos será de 29 a 31 de janeiro.

O resultado sairá no dia 5 de fevereiro. Nos dias 6 e 7 de fevereiro, até às 17h, será o prazo para recorrer da análise dos documentos. Já a publicação das respostas aos recursos apresentados ocorre dia 15 de fevereiro.

Também diferente dos últimos anos, haverá três chamamentos para o primeiro antes de iniciar a fase presencial das matrículas: eles começam pelo anúncio do listão, depois haverá nova lista publicada no dia 16 de fevereiro e, por fim, um terceiro chamamento no dia 26 de fevereiro.

Além disso, de 1º a 8 de março, até às 18h, será o período para os alunos aptos a cursarem o primeiro semestre, solicitarem disciplinas via Portal do Aluno, no site da Ufrgs. A efetivação das matrículas, por sua vez, será feita presencialmente nas unidades dos respectivos cursos nos dias 6 e 8 de março. O prazo é o mesmo para classificados nos três chamamentos.

Maior e mais concorrido do Rio Grande do Sul, o vestibular da Ufrgs recebeu um total de 46.244 inscritos. Dos 89 cursos de graduação, o de Medicina foi novamente o mais procurado. As provas foram realizadas de 13 a 16 de janeiro. Do total de inscritos, 11.945 candidatos não concluíram as provas, o que resultou em uma abstenção de 25,83%. O índice é o maior registrado pela universidade em 19 anos - desde 1994, com 26,5%, o número de ausentes não era tão alto.


Clique aqui para acessar o listão

http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=485970
.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

24 de Janeiro - Dia Nacional dos Aposentados

PARABÉNS, VIDA LONGA E DIGNA AOS APOSENTADOS!
Lutar por uma vida digna dos aposentados é dever perene de cada cidadão.

"Elimine a experiência e o bom senso de quem já passou dos 60 anos e não sobrará bastante experiência ou bom senso para governar o mundo, disse Henry Ford. Uma conclusão bem apropriada para se comemorar o Dia dos Aposentados e chamar a atenção para a valorização daqueles que já conquistaram o direito de não mais trabalhar. Em nosso país, entretanto, direito não é, nem de longe, nada parecido com o que entendemos por conquista.

É incrível, mas, aposentado por aqui não é o sujeito que já contribuiu com a Previdência anos a fio e que está apto a desfrutar uma vida aprazível após uma vida inteira de labuta.

Ao contrário: são milhares de idosos que sustentam famílias inteiras Brasil afora. Parcas aposentadorias suportam duas e, por vezes, até três gerações num mesmo teto. Contemplados com um tratamento de qualidade para lá de duvidosa, um sistema de aposentadoria composto por desumanas medidas consegue reforçar ainda mais as injustiças e aprofundar as desigualdades sociais.


Lamentavelmente, mesmo que o Brasil tenha conquistado algum destaque no cenário internacional, é nítido que ainda insiste em renegar o valor dos seus aposentados.

Leis arbitrárias desafiam diariamente o aposentado brasileiro. Por isso, o Brasil acumula uma dívida que vai além do abismo financeiro. Um constrangimento moral, uma vergonha exposta, que parece não ter fim.

Há ainda aos que esperam na aposentadoria um apoio econômico, dois vultosos obstáculos representados pela burocracia e pelo número insuficiente de funcionários e peritos médicos que comprometem o atendimento dos dependentes da Previdência.

Conquistar direitos dignos aos aposentados é dever perene de cada cidadão brasileiro.

Uma luta de todos nós - de jovens e dos que já atingiram a maturidade. Dos que iniciam a jornada de trabalho embalados por sonhos e dos que já gozam do direito de aproveitar o melhor que a vida tem a oferecer sem o peso das responsabilidades acumuladas.


O 14º Núcleo  do CPERS/Sindicato cumprimenta todos os aposentados, hoje e em todos os demais dias do ano!


Parabéns e vida longa aos que tanto trabalharam, especialmente aos Trabalhadores em Educação, merecedores de todo o respeito e do direito de viverem e de envelhecerem com a máxima dignidade!

Fonte: SECOM/CPP  - com modificações e adaptações,
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.


.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Universitários não mostram interesse em carreira docente, segundo pesquisa

23.01.13
“O reconhecimento também deve vir em termos de carreira e de salário, viabilizando meios de ascensão social que não passem pelo abandono da atividade educacional.”

Nota do Blog do 14º Núcleo - O Governo Tarso não paga o Piso Salarial Nacional  aos educadores e desrespeita o Plano de Carreira do Magistério.

O Completivo criado por esse governo é apenas uma forma que o Piratini encontrou para enganar a sociedade, para iludir os incautos que o executivo estadual estaria cumprindo a Lei...
 
GOVERNO TARSO, FORA DA LEI! ATÉ QUANDO?

Pesquisa realizada na FE (Faculdade de Educação) da USP (Universidade de São Paulo) mostra que metade dos alunos dos cursos superiores de licenciatura em física e matemática não se interessam ou tem dúvidas em se tornarem professores de educação básica. O estudo da pedagoga Luciana França Leme também ouviu alunos de medicina, que manifestaram interesse pela profissão, mas que não a seguiram devido aos salários e as condições de trabalho.

A pesquisadora recomenda que a licenciatura seja mais valorizada nas áreas de física e matemática, e que os alunos de pedagogia tenham mais oportunidades de vivenciar a experiência de ensinar em sala de aula.

Ao todo foram aplicados 512 questionários para ingressantes nos cursos das licenciaturas em física, matemática e pedagogia e do bacharelado em medicina da USP. As questões verificaram se os estudantes tinham interesse em ser professores da educação básica, que abrange a educação infantil (de zero 5 anos de idade) e os ensinos fundamental (de 6 a 14 anos) e médio (de 15 a 18 anos).

“A maior motivação da pesquisa foi a escassez de professores no Brasil, em especial na área de ciências exatas, pois estudos indicam que poucos jovens querem seguir carreira docente”, diz Luciana.

A porcentagem de alunos que não pensavam em ser professores ou tinham dúvidas sobre essa opção foi de 52% na licenciatura em física e 48% na matemática. “Os estudantes apontaram que entraram nos cursos por interesse em matemática e física, pelo fato de a USP ser gratuita e dos recursos que oferece e que poderão ser úteis no mercado de trabalho, sendo que este último argumento poderia ser usado para justificar o ingresso em qualquer outro curso da Universidade”, afirma a pedagoga.

Na pedagogia, 30% descartaram seguir o magistério ou estão em dúvida. “O índice é menor porque muitos alunos ingressam nessa carreira pensando em ser professores, além de outras razões, como a possibilidade de trabalhar com crianças”.

A questão salarial apareceu como uma das principais razões pensadas para se optar ou não pela profissão. “Normalmente, quem queria entrar no magistério sabia exatamente o valor dos salários pagos aos professores, enquanto os que não tinham interesse estimaram valores fora da realidade, ou muito altos ou muito baixos”, diz a pesquisadora.

“A decisão também é influenciada por outros fatores intrínsecos à profissão, como a liberdade para trabalhar, pois boa parte dos alunos alegou que só seria professor se conseguisse ingressar numa escola reconhecida por ter bom trabalho educacional, onde pudesse ter relativa autonomia e ensinar com certa liberdade”.

Condições de trabalho

Entre os alunos de medicina, a porcentagem daqueles que em algum momento da vida pensaram em ser professor chegou a 15%. “É um número alto, especialmente se for levado em conta que se trata de um grupo que normalmente apresenta maiores vantagens sociais, vindo de famílias de renda mais alta, e que por esses motivos pode escolher a profissão que quiser”, conta Luciana. “A maioria deles ainda assinalou que gostaria de dar aulas no ensino médio”.

A pesquisa apurou que os estudantes interessados no magistério não se tornaram professores de educação básica devido às condições de trabalho e os salários.
“Entretanto, foi manifestado um grande respeito pela profissão de professor”, ressalta a pedagoga. “Eles apontaram com grande precisão o papel do professor como carro-chefe da sociedade e principal responsável pela aprendizagem social e cognitiva das crianças e adolescentes”.

Luciana recomenda que os professores sejam reconhecidos como profissionais da educação. “Isso não deve acontecer apenas em termos de imagem pública, pois o professor é o único profissional capacitado que pode atuar no aprendizado dos alunos da educação básica”, destaca. “O reconhecimento também deve vir em termos de carreira e de salário, viabilizando meios de ascensão social que não passem pelo abandono da atividade educacional.”

A pesquisadora observa que os cursos de física e matemática precisam conciliar mais a pesquisa científica com a formação de professores para a educação básica.

“Muitos alunos entram pensando em fazer pós-graduação, seguir carreira acadêmica na universidade ou  ir para outras profissões”, diz. “Na área de pedagogia, há um maior interesse pelo magistério, mas é necessário que esses alunos vivenciem de forma mais intensa a experiência das salas de aula, especialmente das escolas públicas”. A pesquisa faz parte de dissertação de mestrado de Luciana, apresentada na FE e orientada pela professora Sandra Zakia Souza.

fonte: http://www.udemo.org.br
http://profcoordenadorpira.blogspot.com.br/
profe.marli.comunidades.net/ com modificações e adaptações.
Por Siden Francesch do Amaral, Diretor Geral do 14º Núcleo do CPERS/Sindicato.


 

Leia no Blog Opinião Dorotéia:
Detran abre 216 vagas para cargos de nível médio, técnico e superior
Salários variam entre R$ 1.578,22 a R$ 4.456,93

 
Tarifa básica de telefonia pode terminar no RS em 20 de fevereiro 
Projeção é que em telefones fixos a economia chegue a R$ 504 por ano por aparelho 
Amilton Belmonte - 23/01/2013 16h36
Porto Alegre - Sancionada em 20 de dezembro passado pelo governador Tarso Genro, a Lei 14.150/12 entra em vigor em 20 de fevereiro próximo e traz boas novas ao consumidor que utiliza da rede fixa ou celular de telefones.

A legislação proíbe a cobrança da tarifa básica por assinatura, que equivale à chamada venda casada e, segundo o seu autor, o deputado estadual Raul Pont (PT), viola o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor.

Aprovada por 49 dos 55 parlamentares da Assembleia, ela tramitava na Casa desde 2005 e assinala que o valor cobrado pelas operadoras como tarifa básica serve para remunerar os impulsos oferecidos pelas empresas a título de franquia, que são pagos independente de sua utilização ou não pelo consumidor. “É uma prática abusiva”, frisa Pont, ao ressaltar que a única obrigação do consumidor é pagar o que efetivamente consumiu, ou seja, as ligações efetivamente realizadas no decorrer do mês. Desde a sanção da lei está correndo o prazo para que as operadoras se adaptem ou questionem judicialmente a norma.

O que poderá ocorrer
A projeção é que em telefones fixos a economia chegue a R$ 504 por ano por aparelho, diz o deputado Raul Pont. Nos dispositivos móveis, ele pondera que a economia irá variar de acordo com o plano adotado por cada usuário.

Se descumprida a legislação pelas operadoras, observa que são previstas punições, conforme o Código de Defesa do Consumidor. Órgão regulador do sistema de telecomunicações no País, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), por meio de sua assessoria de imprensa, disse que não se pronuncia sobre legislações estaduais e que tem como base de sua atuação o disposto no Capítulo II da Constituição Federal.

O que dizem as operadoras
O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) e a Associação Brasileira das Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix), através de sua assessoria de imprensa, argumentam que o Supremo Tribunal Federal (STF) já pacificou jurisprudência no sentido que, em matéria de telecomunicações, a União possui competência exclusiva para legislar.

Dizem que nos próximos dias será proposta uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), para que a legislação gaúcha seja declarada inconstitucional, a exemplo de outras leis estaduais já revogadas, citando São Paulo e Santa Catarina.
http://www.jornalvs.com.br/estado/435737/tarifa-basica-de-telefonia-pode-se-extinguir-no-rs-em-20-de-fevereiro.html
.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

ProUni tem mais de 1 milhão de inscritos

Agência Brasil - 22.01.13 - 14h09
Até as 23h de ontem, o Programa Universidade para Todos tinha 1,019 milhão de estudantes inscritos. O MEC divulga nesta tarde balanço com o total de inscritos. A primeira lista de selecionados sai quinta-feira e a segunda, no dia 8 de fevereiro. O ProUni concede bolsas de estudo em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior. Neste semestre são oferecidas 108.686 bolsas integrais e 53.643 parciais (50% da mensalidade)
[...]
Mais em http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-22/prouni-tem-mais-de-1-milhao-de-inscritos
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo/CPERS-Sindicato.

 
Leia no Blog Opinião Dorotéia:
Governo do Estado garante completivo retroativo a janeiro 
Assim, o Governo Tarso, continua desrespeitando e atacando Plano de Carreira do magistério;
 
CAI A QUANTIDADE DE ESCOLAS NO BRASIL
Ao observar as informações pelo tipo de escola, nota-se que a queda aconteceu na quantidade de municipais e estaduais, enquanto o número de federais e privadas aumentou.
.

domingo, 20 de janeiro de 2013

O professor no espelho

Angela Maieski* - 20.01.13
Sinovaldo – GrupoSinos.com.br
Uma imagem vale por mil palavras. Velho ditado, mas, a qualquer tempo hodierno. 

As Charges – com letra maiúscula, pois aprendi que nome próprio começa sempre assim, se bem que hoje alguém pode dizer que é “caixa alta” –  são o reflexo da sociedade em um dado momento e merecem  ter status de estrelas, assim como a maioria dos autores. Os chargistas são uma classe especial de artistas, pois conseguem resumir eventos e fatos, traduzindo realidades nos traços simples ou rebuscados, ora brincando com a tristeza, ora dramatizando a alegria. Por vezes, conseguem até congelar o tempo, tornando-se atemporais, se bem que essa não seja uma característica comum a elas.

Os chargistas não costumam priorizar um assunto. Usam todo e qualquer tema que seja atual, mas por vezes, sabe-se lá por que motivo oculto conseguem em uma imagem, relatar todo drama de uma categoria. As duas charges que ilustram o texto, utilizadas com a permissão do autor, refletem  o drama, – ops… acho que vou trocar por “problema” para não ser dramática – que afeta a educação pública em alguns rincões desse imenso país de dimensões continentais .

O chargista desenha aquilo que a sociedade percebe ou a sociedade percebe aquilo que o chargista desenha?

O espelho reflete aquilo que está diante dele, ou,,, Não importa. Importante mesmo é que a situação exposta nas charges não é reflexo apenas da reclamação de professores, que de acordo com alguns, estão sempre reclamando, de barriga cheia. Se a ideias do chargista render frutos, ou melhor, cestas, parte do problema estaria resolvido, para alegria de uns, que com toda propriedade diriam: – reclamando de barriga cheia.

Por outro lado, difícil seria guardar os poucos alimentos, pois logo eles seriam sugados pelo sumidouro, já que não há piso capaz de deter a erosão do salário, ops… do solo amado da pátria Brasil. Professores são, portanto, vistos como pessoas de pequenas, mas bem pequenas posses. 

Pose até fazem, todo dia diante do espelho, treinando a melhor expressão para não deixar transparecer a desilusão e continuar vendendo a ideia de que educação é a solução.

Solução para que? Para quem? 

A educação é emancipatória? Não para o professor. A educação proporciona direitos? Não para o professor. A educação forma cidadãos? Não se for professor… Se fosse emancipado, seria um cidadão com direitos plenos, trilhando seu caminho sobre o piso bem pavimentado, por Lei.

Charges do Sinovaldo publicadas no Jornal ABC – 13/01/2013 e Jornal NH 15/01/2013.
*Angela Maieski é professora estadual em Novo Hamburgo.
http://amaieski.wordpress.com/
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo/CPERS-Sindicato.


Pesquisa mostra que estudantes do ProUni ampliaram perspectivas profissionais e garantiram melhores salários
Mariana Tokarnia, Agência Brasil - 20/01/2013 - 12h46
Recife – O nível educacional no Brasil não determina maior renda, mas está ligado à satisfação pessoal e à abertura de novas perspectivas profissionais. O Programa Universidade para Todos (ProUni) tem sido fundamental para o acesso ao ensino superior e embora o nível educacional não determine maior renda, está ligado à satisfação pessoal e à abertura de novas perspectivas profissionais, conforme conclusões da pesquisa O ProUni e Seus Egressos: Uma Articulação Entre Educação, Trabalho e Juventude, da doutora em educação Fabiana Costa, apresentado pela primeira vez no 14º Conselho Nacional de Entidades de Base (Coneb) da União Nacional de Estudantes (UNE).

Em 2012 a pesquisadora consultou 150 egressos do ProUni na cidade de São Paulo. Para a maioria dos profissionais consultados (91,9%), a formação universitária possibilitada pelo programa ampliou os horizontes e facilitou a articulação na área profissional. Os entrevistados apontaram as várias dificultdades que tiveram durante o curso: 85% já trabalhavam e continuaram trabalhando durante a graduação.

“Esses estudantes superaram não apenas as dificuldades ao longo da graduação, mas de toda a formação. São problemas que vêm desde a escola. Eles já trabalhavam antes. Muitos como eles tiveram que escolher entre estudo e trabalho e acabaram deixando os estudos”, disse Fabiana.

Os entrevistados tiveram uma melhora na carreira e mais de um terço aumentou de 71% a 100% o salário que ganhava. Isso não significa que os rendimentos sejam altos: 33,9% recebe entre um e dois salários mínimos mensais, 27,1% recebem entre dois e três salários mínimos, 15,3% entre três e quatro e apenas 8,5% ganham mais de cinco salários mínimos por mês. Esses profissionais, no entanto, ganharam mais estabilidade com a formação – 85% estão empregados e 64,4% têm a carteira assinada.

Outro dado que chamou atenção da pesquisadora foi que 72,6% trabalham na área que estudaram. “Isso mostra que o programa está funcionando, que as pessoas estão colocando em prática o que aprendem e estão melhorando a carreira que escolheram."

O Programa Universidade para Todos (ProUni) concede bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições privadas de educação superior. Neste primeiro semestre estão sendo oferecidas 162.329 bolsas, distribuídas em 12.159 cursos de 1.078 instituições de todo o país. Até este domingo (20) o Ministério da Educação havia registrado quase oitocentos mil inscritos.

O presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do ProUni (Conap), Valmor Bolan, acrescentou que os estudantes do programa têm aproveitamento semelhante ou superior aos demais estudantes. Em uma pesquisa feita na Universidade Católica de Brasília, em Taguatinga, no Distrito Federal, os estudantes do ProUni tiveram média de nota quase um ponto superior em relação aos outros.

“É comum que alunos em condições desfavoráveis tenham mais garra para vencer. Se você der uma chance a esses alunos, eles vão demonstrar que conseguem superar na caminhada aqueles que partem de uma situação mais favorável”, explicou Bolan.

O 14º Coneb da UNE acontece em Recife (PE) até segunda-feira (21). Este ano foram mais de 3,5 mil inscrições de entidades de todas as regiões do país. Sob o tema “A Luta pela Reforma Universitária: do Manifesto de Córdoba aos Nossos Dias”, o Coneb oferece debates e grupos de discussão sobre temas ligados às universidades e ao Brasil. Ao final, os delegados vão decidir os rumos e posicionamentos da UNE para 2013. O evento antecede a Bienal da UNE, espaço de diálogo de estudantes e movimentos culturais que, este ano, está em sua 8ª edição.

Edição: Andréa Quintiere
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-20/pesquisa-mostra-que-estudantes-do-prouni-ampliaram-perspectivas-profissionais-e-garantiram-melhores-s

 


Gastos de deputados gaúchos no Congresso aumentaram 16% em 2012
Somados, os 34 titulares e suplentes que passaram pela Casa consumiram R$ 10,1 milhões 
Guilherme Mazui e Rodrigo Saccone, ZH - 20/01/2013 | 06h01
As despesas da bancada gaúcha na Câmara dos Deputados aumentaram 16% em 2012. Levantamento feito pelo Grupo RBS, com base nos dados do Portal da Transparência da Casa, mostra que, somente com aluguel de veículos, o gasto subiu de R$ 1,3 milhão para R$ 1,53 milhão, valor suficiente para comprar 61 carros populares.

Somados, os 34 titulares e suplentes que passaram pelo Congresso no ano passado consumiram R$ 10,1 milhões com a cota de exercício da atividade parlamentar, alta de R$ 1,4 milhão (16,1%) em relação a 2011, quando o custo atingiu R$ 8,7 milhões.

Individualmente, o campeão de gastos foi Darcísio Perondi (PMDB), com R$ 367,6 mil ao longo do ano, sendo R$ 113,5 mil destinados apenas para locação de veículos. O deputado explica que o aluguel auxilia suas atividades no Estado, já que utiliza o próprio carro quando está em Brasília.

– Não tenho carro no Rio Grande do Sul e acabo locando o serviço para percorrer 182 municípios em oito regiões diferentes – justifica.

No geral, a manutenção de gabinetes e escritórios no RS respondeu por um terço dos gastos. As despesas em aluguel, telefone, correspondências, assinatura de publicações, serviços de segurança, hospedagem e alimentação chegaram a R$ 3,53 milhões, salto de 10,65% em comparação a 2011, quando a soma foi de R$ 3,19 milhões.

Os gastos com passagens aéreas aumentaram 71,8%: de R$ 1,1 milhão para R$ 1,89 milhão, diferença em parte justificada pelas eleições municipais, quando os parlamentares rodaram por suas bases em busca de votos para candidatos de seus partidos. Quem mais utilizou a cota foi Paulo Ferreira (PT), com R$ 95,8 mil - ele tomou posse em março, após Pepe Vargas (PT) se licenciar para comandar o Ministério do Desenvolvimento Agrário.
[...]
Mais em http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2013/01/gastos-de-deputados-gauchos-no-congresso-aumentaram-16-em-2012-4015958.html
Por Sergio Augusto Weber, Professor e Diretor Financeiro do 14º Núcleo/CPERS-Sindicato.

.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Mais de 717 mil candidatos já se inscreveram no ProUni

Luana Lourenço, Agência Brasil - 19/01/2013 - 17h48
Brasília - No terceiro dia de inscrições, o Programa Universidade para Todos (ProUni) já registra mais de 717 mil inscritos. Até as 17h de hoje (19), o Ministério da Educação contabilizou 717.949 inscritos  e 1.389.898 inscrições, já que cada candidato pode fazer até duas opções de curso e de instituição de ensino.

O prazo para inscrição para essa etapa do ProUni, aberto na madrugada da última quinta-feira (17), vai até as 23h59 de segunda-feira (21), pelo horário de Brasília. As inscrições são feitas exclusivamente pela internet, no portal do programa.

O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições privadas de educação superior.  Para participar do programa, é preciso ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou na rede particular na condição de bolsista. Também é pré-requisito ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012, alcançado pelo menos 450 pontos e não ter zerado a nota da redação

Para o primeiro semestre de 2013, estão sendo oferecidas 162.329 bolsas, distribuídas em 12.159 cursos de 1.078 instituições de todo o país. Serão 108.686 bolsas integrais e 53.643 parciais. O estado de São Paulo é o que oferece mais bolsas, 56 mil, seguido por Minas Gerais, com 17 mil bolsas, e pelo Paraná, com 12 mil.

A bolsa integral é concedida a estudantes com renda bruta familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio (R$ 1.017) e as parciais àqueles com renda familiar de até três salários mínimos por pessoa (R$ 2.034). Quem conseguir apenas a bolsa parcial (50% da mensalidade) pode custear a outra metade por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) sem a necessidade de apresentar fiador.


Estão dispensados dos requisitos de renda para a obtenção de bolsa os professores da rede pública em efetivo exercício do magistério da educação básica, integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública. Eles concorrem exclusivamente a bolsas para cursos de licenciatura.


A primeira divulgação dos resultados será na próxima quinta-feira (24) e a segunda, no dia 8 de fevereiro. Quem não for pré-selecionado em nenhuma das etapas poderá entrar na lista de espera nos dias 24 e 25 de fevereiro. Desde a sua criação, em 2004, o ProUni atendeu 1.096.359 estudantes, dos quais 739.094 com bolsa integral, segundo o MEC.

Edição: José Romildo
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-19/mais-de-717-mil-candidatos-ja-se-inscreveram-no-prouni


 
Leia no Blog Opinião Dorotéia:
Reforma não pode tirar direitos dos trabalhadores, defende ministro do TST;

Maluf terá que devolver R$ 57,9 milhões à prefeitura de São Paulo;
Brasileiro é indicado a prêmio de melhor professor dos EUA:
.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ser professor: uma escolha de poucos

Pesquisa com estudantes do Ensino Médio comprova a baixa atratividade da docência
17.01.13
Nos últimos anos, tornou-se comum a noção de que cada vez menos jovens querem ser professores. Faltava dimensionar com mais clareza a extensão do problema. Um estudo encomendado pela Fundação Victor Civita (FVC) à Fundação Carlos Chagas (FCC) traz dados concretos e preocupantes: apenas 2% dos estudantes do Ensino Médio têm como primeira opção no vestibular graduações diretamente relacionadas à atuação em sala de aula - Pedagogia ou alguma licenciatura (leia o gráfico abaixo).

Uma profissão desvalorizada

Só 2% dos entrevistados pretendem cursar Pedagogia ou alguma Licenciatura, carreiras pouco cobiçadas por alunos das redes pública e particulares

Fonte: Pesquisa Atratividade da Carreira Docente no Brasil (FVC/FCC)
A pesquisa, que ouviu 1.501 alunos de 3º ano em 18 escolas públicas e privadas de oito cidades, tem patrocínio da Abril Educação, do Instituto Unibanco e do Itaú BBA e contou ainda com grupos de discussão para entender as razões da baixa atratividade da carreira docente. Apesar de reconhecerem a importância do professor, os jovens pesquisados afirmam que a profissão é desvalorizada socialmente, mal remunerada e com rotina desgastante (leia as frases em destaque).

"Se por acaso você comenta com alguém que vai ser professor, muitas vezes a pessoa diz algo do tipo: 'Que pena, meus pêsames!'"
Thaís*, aluna de escola particular em Manaus, AM

"Se eu quisesse ser professor, minha família não ia aceitar, pois investiu em mim. É uma profissão que não dá futuro."
André*, aluno de escola particular em Campo Grande, MS

* Os nomes dos alunos entrevistados foram alterados para preservar a confidencialidade da pesquisa

O Brasil já experimenta as consequências do baixo interesse pela docência. Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas no Ensino Médio e nas séries finais do Ensino Fundamental o déficit de professores com formação adequada à área que lecionam chega a 710 mil (leia o gráfico ao lado). E não se trata de falta de vagas. "A queda de procura tem sido imensa. Entre 2001 e 2006, houve o crescimento de 65% no número de cursos de licenciatura. As matrículas, porém, se expandiram apenas 39%", afirma Bernardete Gatti, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e supervisora do estudo. De acordo com dados do Censo da Educação Superior de 2009, o índice de vagas ociosas chega a 55% do total oferecido em cursos de Pedagogia e de formação de professores.

Faltam bons candidatos

Fontes: Inep e Censo da Educação Superior (2004 e 2008)
A baixa procura contrasta com a falta de docentes com formação adequada


Ilustrações: Mario Kanno
Um terço dos jovens pensou em ser professor, mas desistiu

O estudo indica ainda que a docência não é abandonada logo de cara no processo de escolha profissional. No total, 32% dos estudantes entrevistados cogitaram ser professores em algum momento da decisão. Mas, afastados por fatores como a baixa remuneração (citado nas respostas por 40% dos que consideraram a carreira), a desvalorização social da profissão e o desinteresse e o desrespeito dos alunos (ambos mencionados por 17%), acabaram priorizando outras graduações. O resultado é que, enquanto Medicina e Engenharia lideram as listas de cursos mais procurados, os relativos à Educação aparecem bem abaixo (leia os gráficos na página ao lado).

Um recorte pelo tipo de instituição dá mais nitidez a outra face da questão: o tipo de aluno atraído para a docência. Nas escolas públicas, a Pedagogia aparece no 16º lugar das preferências. Nas particulares, apenas no 36º. A diferença também é grande quando se consideram alguns cursos de disciplinas da Escola Básica. Educação Física, por exemplo, surge em 5º nas públicas e 17º nas particulares. "Essas informações evidenciam que a profissão tende a ser procurada por jovens da rede pública de ensino, que em geral pertencem a nichos sociais menos favorecidos", afirma Bernardete. De fato, entre os entrevistados que optaram pela docência, 87% são da escola pública. E a grande maioria (77%), mulheres.

O perfil é bastante semelhante ao dos atuais estudantes de Pedagogia. De acordo com o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de Pedagogia, 80% dos alunos cursaram o Ensino Médio em escola pública e 92% são mulheres. Além disso, metade vem de famílias cujos pais têm no máximo a 4ª série, 75% trabalham durante a faculdade e 45% declararam conhecimento praticamente nulo de inglês. E o mais alarmante: segundo estudo da consultora Paula Louzano, 30% dos futuros professores são recrutados entre os alunos com piores notas no Ensino Médio. O panorama desanimador é resumido por Cláudia*, aluna de escola pública em Feira de Santana, a 119 quilômetros de Salvador: "Hoje em dia, quase ninguém sonha em ser professor. Nossos pais não querem que sejamos professores, mas querem que existam bons professores. Assim, fica difícil".

http://revistaescola.abril.com.br/politicas-publicas/carreira/ser-professor-escolha-poucos-docencia-atratividade-carreira-vestibular-pedagogia-licenciatura-528911.shtml

Fonte: profe.marli.comunidades.net

Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

PROPOSTAS APROVADAS NO CONSELHO GERAL DE 11 DE JANEIRO DE 2013

15.01.13
➨ Continuidade da denúncia do Governo Tarso e deputados “Inimigos da Educação” – nos meios de comunicação e através de colagens de cartaz e bonecos representando os deputados.

 ➨ 08 de março → Assembleia Geral para organizar a continuidade da luta pelo Piso e demais reivindicações.

 ➨ Abril:
→ Participação na Greve Nacional chamada pela CNTE.

→ Ato em Brasília contra o ACE e pela anulação da Reforma da Previdência.

 ➨ No próximo Conselho Geral será marcada a data do Congresso Estadual do CPERS/Sindicato.

 Lutas Gerais:

 ● Moção de Solidariedade aos trabalhadores da GM de São José dos Campos e Rodoviários de Porto Alegre.

 

Leia no Blog Opinião Dorotéia:
CIDADE NOS EUA PROMETE INAUGURAR PRIMEIRA BIBLIOTECA SEM LIVROS;

Avanço para os precatórios
Tem gente pagando juros para o Banrisul enquanto o Estado lhe deve há décadas...


IPE apresentará estudo para avaliar a inclusão de pais como dependentes em plano de saúde
14.01.13
O diretor de Saúde do Instituto de Previdência do Estado (IPE), Antônio de Pádua, participou, quinta-feira, (10) de audiência pública da Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa. O objetivo foi debater o Projeto de Lei 154/2011 que trata da inclusão de pai e mãe do servidor público como dependentes no IPE Saúde, desde que comprovada dependência econômica.

Pádua destacou o caráter de responsabilidade da decisão e que o mérito da proposta não está em discussão. "Porém, qualquer alteração que se faça neste sentido deve ser analisada com muito cuidado. Temos que ter certeza absoluta e, hoje, ainda não temos a segurança do que isto representará para a saúde financeira do plano", afirmou.

Cassius Rosa, chefe de Gabinete do IPE, também presente à sessão, reforçou a importância do plano para o setor e falou sobre estudos que já estão em andamento sobre o impacto da inclusão de pais como dependentes. "O IPE Saúde é o 9º maior plano de saúde do País incluindo os privados. Estamos finalizando um estudo para propor a inclusão de pai e mãe como dependentes opcionais com valores bem abaixo do mercado. Dentro de 60 dias já teremos a conclusão deste relatório que permitirá também prever o impacto da proposta debatida nesta comissão".

A audiência pública contou com a presença de representantes de diversas entidades ligadas aos servidores públicos que manifestaram suas opiniões a respeito do tema. A presidente do CPERS, Rejane de Oliveira, disse que a entidade é favorável à iniciativa e sugeriu a utilização do  salário mínimo nacional como parâmetro para a definição da dependência econômica.

Já o presidente do Sindicato dos servidores do IPE (Sindipe) e representante da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (Fessergs), Bayard Bernd, manifestou preocupação com a proposta, uma vez que não há segurança sobre o impacto financeiro que ela acarretará.
http://www.ipe.rs.gov.br/?model=conteudo&menu=81&id=651
Por Sergio Augusto Weber, Professor e Diretor Financeiro do 14º Núcleo.


 
INFORME SOBRE SERVIDORES CONTRATADOS, URV e HORA ATIVIDADE
14/01/2013 11:16
O Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul - Sindicato dos Trabalhadores em Educação (CPERS/SINDICATO), apresenta questionamentos que se encontram respondidos nos tópicos a seguir:

 1. Direitos dos servidores contratados

É feito o questionamento sobre o pagamento de verbas rescisórias nos contratos emergenciais da educação e demais direitos dos contratados.

Os agentes públicos mencionados possuem a sua contratação autorizada por lei estadual específica. Os direitos dos contratados quando da ruptura do contrato são: os vencimentos do mês da dispensa, 13º salário proporcional ao ano em vigor e férias proporcionais ao período aquisitivo.

Por consequência, havendo lei própria, não se aplica a legislação federal relativa às relações de trabalho regidas pela CLT.

Neste sentido já se manifestou o Tribunal de Justiça do RS:

APELAÇÃO CÍVEL. SERVIDOR PÚBLICO. CONTRATO TEMPORÁRIO. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. VÍNCULO ESTATUTÁRIO DE CARÁTER PRECÁRIO. COBRANÇA DE FGTS. E OUTRAS VERBAS RESCISÓRIAS. IMPOSSIBILIDADE. Ausente fundamento legal para pagamento de verbas rescisórias, aos moldes da CLT, ao final do contrato emergencial firmado entre os litigantes. A contratação emergencial possui vínculo estatutário de caráter precário. APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70037749140, Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Rogerio Gesta Leal, Julgado em 07/10/2010)

Cabe salientar que o TJRS tem adotado o entendimento já consolidado por instâncias judiciais superiores, não cabendo assim o pagamento de FGTS e outras verbas rescisórias além das mencionadas.

 2. Possibilidade de ingresso de ações postulando diferenças a título de URV

O CPERS/Sindicato ajuizou a ação coletiva nº 001/1.05.2256453-8, que foi julgada improcedente. A decisão sustentou que houve a recomposição das perdas inflacionárias. Em sede recursal a decisão foi mantida[1], não havendo possibilidade de recurso.

Tendo em vista a impossibilidade de se ingressar como nova ação coletiva, resta avaliar se teriam êxito as individuais.

No âmbito individual foi observado que os servidores que ingressaram na justiça não têm obtido êxito em suas ações, em razão dos cálculos conseguirem demonstrar contabilmente que, mesmo com a promulgação das respectivas leis estaduais, teria permanecido a defasagem salarial.

Desse modo, para que se possa entrar com ações individuais, é necessária a demonstração contábil efetiva de um caso concreto que haveria recomposição salarial aquém do que estava previsto na legislação do Plano Real.

 3. Questões sobre a ação coletiva hora-atividade

O CPERS/Sindicato apresenta questionamento sobre o cumprimento da hora-atividade prevista na Lei n.º 11.738/2008 em razão da liminar favorável obtida na coletiva nº 001/1.12.0182927-6 e que determina que 1/3 da carga horária seja destinada à hora-atividade nos termos da Lei do Piso.

O Estado foi intimado por oficial de justiça, sendo o respectivo mandado judicial devolvido à justiça em 09/01/2013, não tendo iniciado ainda prazo para a interposição de recurso com o intuito de cassar a liminar.

Cabe recurso por parte do Estado, e com isso, não se pode afirmar se haverá tempo ou não hábil de se cassar esta decisão até o início do ano letivo.

Por hora, a liminar obtida pelo CPERS está valendo, e o Estado deve cumprir.

No aspecto da unidocência, há o entendimento que a aplicação da lei não acarreta prejuízo à mesma, visto que a Lei nº 11.738/2008 prevê apenas o limite de períodos de atividade em sala de aula e extraclasse (preparação das atividades exercidas em sala de aula, estudo e avaliação), facultando ao gestor público adotar todos os meios que entender necessários para o seu cumprimento.

[1] "APELAÇÃO CÍVEL. ADMINISTRATIVO. AÇÃO PROPOSTA PELO CPERS. CONVERSÃO DE VENCIMENTOS EM URV - Não configurada redução vencimental em decorrência da conversão em URVs, independentemente da data em que ocorreu, em razão dos mecanismos de proteção apresentados pela legislação estadual. Inexistência de ofensas a princípios constitucionais. Recurso repetitivo julgado pelo STJ sobre as URVs de servidores do Poder Executivo do Rio Grande do Sul. APELAÇÃO DESPROVIDA." (TJRS - Apelação Cível nº 70039828249. Julgado em 22/02/2011)

Fonte: Portal CPERS/Sindicato
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.

.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

"Ninguém paga o piso no Brasil", diz secretário da Educação do RS

Secretario Jose Clovis Azevedo defende mudança do critério no reajuste do piso.
Fernando Diniz - 11.01.13 • 13h02
Foto: Raíssa de Deus Genro / Divulgação
"Completamente fora do real". Essa é a definição do secretário de Educação do Rio Grande do Sul, Jose Clovis de Azevedo, para o critério de reajuste do piso nacional dos professores. Crítico do uso do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) para o aumento do salário-base, Azevedo afirma que os atuais reajustes não dão segurança aos Estados e é enfático: "ninguém paga o piso no Brasil".

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou ontem que o piso nacional do professor será reajustado em 7,97% em 2013, chegando a R$ 1.567, ante os R$ 1.451 anteriores. O percentual de aumento no salário é o menor em três anos: em 2012, ficou em 22,2% e, em 2011, em 16%.

O governo do Rio Grande do Sul paga desde abril do ano passado um complemento temporário aos professores para evitar ganhos inferiores ao piso nacional. O abono foi anunciado após um acordo com o Ministério Público Estadual para evitar prejuízos da categoria enquanto o Estado recorria ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo uso do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) na definição do piso.

Governado pelo ex-ministro da Educação Tarso Genro (PT), que assinou a lei do piso em 2008, o Rio Grande do Sul alega ter um plano de carreira definido com base no INPC, segundo o qual o salário-base chegaria a R$ 1.260 em novembro de 2014, valor inferior ao já previsto pelo Ministério da Educação (MEC) em 2012. A lei do piso prevê reajustes anuais com base no valor por aluno no Fundeb.

Professores do Rio Grande do Sul alegam que o piso nacional deve ser pago no salário-base e integrar o plano de carreira, mas o governo acredita que o cálculo é imprevisível e deve ser alterado. Leia a entrevista com o secretário estadual de Educação:

Terra - O Rio Grande do Sul já não pagava o piso anterior. Como fica a situação do Estado agora que o valor aumentou?
Azevedo - O Estado paga o piso nominal, ninguém ganha menos que o piso. O Estado só não paga o piso como vencimento básico no plano de carreira, o que seria insustentável. Nós continuamos defendendo tese de que o reajuste do piso tem de ser o INPC, porque só isso dá a segurança e possibilidade de planejamento dos Estados. Veja bem, em 2011 nós tivemos 16%, em 2012, 22%, quanto será no ano que vem? O ministro disse que vai ser bem mais. E isto não muda a situação de insegurança e de imprevisibilidade do setor público. Nós precisamos ter uma proposta que dê estabilidade ao setor público.
 
Terra - Vocês vão fazer o reajuste do abono temporário para alcançar o piso de 2013?

Jose Clovis de Azevedo - Possivelmente. Eu ainda não conversei com o governador, porque ele está de férias. Mas possivelmente possa haver essa compatibilização (para chegar aos R$ 1.567) e também nós vamos estudar o quadro atual, porque o que é positivo da fixação desse índice é que ele é muito próximo da inflação e acho que ele abre uma possibilidade de negociação para todo mundo, para que a gente chegue a um ponto de factibilidade, de realidade, que dialogue de fato com a capacidade de pagamento do setor público.

Terra - O Estado descumpre a regra quando não paga o piso nacional no salário-base?
Azevedo - O Estado não tem como cumprir uma regra que não é factível. É uma questão de materialidade. Eu não posso gastar R$ 50 mil por mês quando eu ganho R$ 5, a não ser que eu esteja na perspectiva de falência. Não é só o Estado, é os Estados. Porque ninguém paga o piso no Brasil. Os Estados criaram subsídios em cima do piso, criaram subterfúgios, achataram o plano de carreira... Nós estamos montando a carreira. E montando a carreira com o INPC os professores vão ganhar mais do que a maioria dos Estados que achatam o plano de carreira.

Terra - Esses Estados que pagam o piso estão errados?
Azevedo - É que na verdade eles não pagam o piso. Eles fazem uma maquiagem para apresentar que estão pagando o piso. O Distrito Federal que paga de fato o piso. A prefeitura de Porto Alegre que paga mais que o piso. Mas são exceções. Por que a prefeitura de Porto Alegre paga um salário acima do piso? Porque desde 1989, quando o Olívio Dutra assumiu a prefeitura de Porto Alegre e depois teve quatro administrações do PT, repôs a inflação trimestralmente. Agora atualmente é anual. Mas isso significou ao longo do tempo um ganho fantástico a rede municipal de Porto Alegre. E o plano de carreira de Porto Alegre é semelhante ao plano de carreira do Estado do Rio Grande do Sul. Por isso que nós avaliamos que o INPC seria um ganho fantástico aos professores a médio e longo prazo, por causa da multiplicação que ele tem na carreira.

Terra - O que falta para o Estado pagar o piso?
Azevedo - Falta capacidade de pagamento do setor público, que não é só problema do Rio Grande do Sul, é o problema da maioria dos municípios e dos Estados. E nós estamos tendo uma diminuição de receita muito grande em função da isenção fiscal do governo federal, o que diminui a receita. O IPI do automóvel. E ainda tivemos uma redução da atividade econômica. A questão do piso tem de ser dentro de um parâmetro factível, que realmente essas pessoas possam receber, e o Estado possa pagar. E signifiquem vantagens reais para essas pessoas a médio e longo prazo. Essas vantagens não poderão ser acima daquilo que é o parametro da atividade econômica.

Terra - O ministro está fora da realidade econômica?
Azevedo - Eu não posso dizer isso. Estou dizendo que este índice hoje, baseado no custo volume, está fora da realidade econômica. Porque ele não dá segurança para os Estados, ele varia de ano para ano. Sai de 7, vai para 6, depois vai para 22. Enquanto que toda economia se relaciona com a inflação e com o crescimento da economia, o piso dos professores se relaciona com o custo de aluno/ano. Isso é uma coisa completamente fora do real.
Fonte: Portal Terra
Por Siden
.

domingo, 13 de janeiro de 2013

Governadora do RN confirma reajuste de 7,97% para professores

Professores com graduação receberão R$ 1.644; os demais, R$ 1.174.
Aumento acompanha valor do piso nacional da categoria.
Do G1 RN - 13.01.13
Secretária de Educação Betânia Ramalho falou do reajuste, ao lado da governadora Rosalba Ciarlini. (Foto: Jefferson Hallyday/G1)
Os professores da rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte, com graduação, vão passar a receber R$ 1.644, e os com formação de nível médio R$ 1.174. Os novos valores foram divulgados pela governadora Rosalba Ciarlini, na tarde desta sexta- feira (11), em cumprimento ao reajuste de 7,97% do piso nacional dos professores. O reajuste será pago na folha do mês de fevereiro, retroativo a janeiro.

O reajuste do piso nacional dos professores foi anunciado pelo Ministério da Educação e engloba os professores em atividade no ano de 2013 e os aposentados. No RN, 18 mil professores estão na ativa e serão beneficiados, bem como os 12 mil inativos. Os docentes que têm nível médio e trabalham 30 horas por semana passam a ter o salário de R$ 1.174 em fevereiro, retroativo a janeiro. Até então, o salários destes é R$ 1.088. No mesmo período, serão reajustadas as remunerações dos professores graduados, passando de R$ 1.523, para R$ 1.644.

O Reajuste vai fazer a folha de pagamento dos professores ativos do RN aumentar de R$ 430 milhões, em 2012, para R$ 577 milhões este ano.
Fonte: SINDISERJ - JANDUIS-RN
 
Comentário:
Essa notícia é de deixar o Governo Tarso (GOVERNO FORA DA LEI!) vexado de vergonha.

O RN, o Estado com o 18º PIB brasileiro, (conforme dados de 2010) paga o Piso aos seus Educadores.

O RS, o Estado com o 4º PIB brasileiro, sonega esse direito aos Trabalhadores em Educação.


Não tem desculpa para isso.  A única desculpa a esse fato é o descaso com a educação e o desrespeito à Lei Federal que tem como signatário o Governador.

Ontem, ouvi o Sr. Ministro da Educação dizer que aumentará a verba do FUNDEB destinada aos Estados, em 5 bilhões, neste ano.
Mas, então, dinheiro tem!

Observem, pela notícia acima, que o Estado do RN paga ALÉM do PISO.

Vamos comparar:

PISO DOS EDUCADORES DO RN EM JANEIRO DE 2013 – R$ 1.644,00

PISO DOS EDUCADORES DO RS EM FEVEREIRO DE 2013 - ABAIXO DE R$ 1.000,00
 
Sr. José Clóvis e Sr. Tarso: QUE VERGONHA!

Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo do CPERS/Sindicato.

.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

CPERS diz que reajuste do piso do magistério é um Golpe na Lei (Nenhuma propaganda aqui tem autorização do Blog)

11/01/2013 - 15h30min
O reajuste de 7,97% no piso nacional do magistério, foi criticado no Rio Grande do Sul. Segundo a presidente do sindicado dos professores da rede pública estadual (CPERS/Sindicato), Rejane de Oliveira, o cálculo é um golpe na lei por não se basear no valor do custo-aluno.

“Isso é um golpe na lei do piso nacional e na própria lei do Fundeb, já que o piso nacional todos os anos sempre foi reajustado pelo valor do custo-aluno, que é anunciado em novembro do ano anterior, argumenta a sindicalista. O Cpers-Sindicato agendou assembleia geral dos professores para o próximo dia 8 de março, com o objetivo de denunciar os deputados que votaram a favor do aumento parcelado como inimigos da categoria

Durante o anúncio, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse reconhecer os esforços de estados e municípios em pagar os professores, mas cobrou que todos precisam cumprir a lei. Segundo ele, os repasses pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) vão aumentar em R$ 5 bilhões para todo o país.

O MEC cumpre o seu papel, de aplicar a lei, divulgar os parâmetros e passar mais recursos para a educação, o que fundamenta o reajuste do piso”, disse.
http://www.radiofandango.com.br/archive/valor.php?noticia=29412

 

Leia no Blog Opinião Dorotéia:
Senadores criticam novo piso salarial de professor 
Não é possível atrair para o magistério os estudantes, os universitários, com um salário de R$ 1.567. E o mais grave é que, além de o piso ser muito baixo, está havendo um achatamento do salário entre o piso e o teto...

Câmara gastará R$ 280 milhões em reforma de imóveis de deputados
Valores devem atingir R$ 1,5 milhão apenas em consertos de banheira de hidromassagem
12/01/2013 08:59
A reforma dos 432 apartamentos funcionais destinados aos deputados federais vai custar pelo menos R$ 280 milhões aos cofres públicos, segundo estimativas da Câmara – o que equivale a R$ 650 mil para cada imóvel. Até agora, a Casa gastou cerca de R$ 108 milhões com os nove prédios que já passaram ou ainda estão sendo reformados. Nos outros nove edifícios devem ser gastos mais R$ 172 milhões – valor que pode subir, porque será feito um novo edital de licitação. Só em banheira de hidromassagem os gastos devem atingir R$ 1,5 milhão.
[...]
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=484057

 
Parte de prédio de escola desaba em Santa Cruz do Sul
Operários faziam a demolição do local. Ninguém se feriu
11/01/2013 20:43
Ao tentarem retirar uma janela, operários foram surpreendidos, na tarde desta sexta-feira, pelo desabamento do segundo piso na Escola Estadual de Ensino Médio José Mânica, em processo de demolição no bairro Esmeralda, em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, apesar do incidente, ninguém se feriu.

A estrutura cedeu e empresa responsável por fazer a retirada de janelas, portas, ventiladores e lâmpadas do local suspendeu os trabalhos, em função do risco de novos desabamentos. Segundo informações repassadas à Brigada Militar, a demolição total do prédio deve se iniciar na segunda-feira.

O local já havia sido interditado pelo governo estadual, em razão de rachaduras nas paredes. Desde o ano passado, os alunos foram transferidos para um espaço no Centro da cidade.
Fonte: Wagner Machado / Rádio Guaíba
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=484022


 

Piso do magistério amplia rombo nas contas do governo do Estado
Ao deixar de pagar o vencimento nacional aos professores, Piratini abre brechas para que atrasados sejam cobrados na Justiça.
Juliano Rodrigues - 11/01/2013 | 23h04
A diferença entre o novo piso nacional do magistério (R$ 1.567), anunciado na quinta-feira, e o valor pago pelo governo Tarso Genro aos professores estaduais (R$ 977) tem potencial para ampliar o passivo do Estado e gerar uma conta impagável para os futuros governos.

Formado pelos atrasados das Leis Britto e de pensões, o montante de precatórios está na casa dos R$ 9 bilhões. A conta do passivo do piso é estimada em R$ 10 bilhões até 2014.

O estudo elaborado pelo economista Darcy Francisco Carvalho dos Santos leva em consideração a possibilidade de que todos os professores ingressem com ações judiciais pedindo o pagamento do piso retroativo a 2011, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou constitucional a lei que determina o valor como salário básico do magistério. As sentenças podem gerar novos precatórios, que são títulos de dívidas reconhecidas pela Justiça.

A estimativa é acrescida de uma projeção de que o Fundeb (que é o índice usado para calcular o reajuste do piso) receba um incremento de 13,5% em 2014.

O especialista lembra que a Emenda Constitucional 62 obriga os Estados a destinarem 1,5% da receita corrente líquida para o pagamento de precatórios. Porém, considera o percentual insuficiente e prevê que a dívida só tende a aumentar.

Segundo o Cpers, milhares de professores já entraram com ações individuais pedindo correção salarial. Os processos devem demorar para serem julgados, mas, caso as dívidas sejam consideradas procedentes, irão se transformar em novos precatórios.

A possibilidade de que os pagamentos demorem e sejam empurrados durante anos, a exemplo do que ocorreu com as Leis Britto, não preocupa o sindicato.

— É um direito do qual não vamos abrir mão — resume a presidente da entidade, Rejane de Oliveira.

As Leis Britto foram reajustes aprovados e cancelados em 1996, no governo Antônio Britto, e cancelados no mesmo ano. Como o Estado vinha perdendo na Justiça, Yeda Crusius concedeu os reajustes, mas os atrasados viraram precatórios.

Secretário defende mudança na correção
Sem dinheiro para cumprir a promessa da campanha eleitoral de 2010 e pagar o piso nacional do magistério, o governo Tarso Genro se ampara em uma lógica compartilhada com outros Estados que não conseguem cumprir a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF): a de que a correção do salário dos professores deve ser feita a partir do INPC.

No entanto, a lei determina que o reajuste seja baseado no aumento do custo/aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

A esperança do governo Tarso é de que a fórmula atual seja substituída por um sistema que combine o INPC com a metade do crescimento anual do Fundeb. A iniciativa, porém, não tem a simpatia do Ministério da Educação.

O secretário estadual da Fazenda, Odir Tonollier, ressalta que nenhum professor do Estado ganha menos que o piso (devido a um completivo — pago pelo Estado a quem recebe menos — acordado com o Ministério Público Estadual e avalizado pelo Judiciário) e enfatiza que o atual governo dará um reajuste, total, de 76% até 2014.

Mas, mesmo com esse aumento, os vencimentos estarão abaixo do valor nacional. Sobre o possível passivo que se formará para os futuros governadores, explica que se trata de uma opção.

— Ou nós nos preocupamos com o passivo (futuro) e não damos reajuste para ninguém, ou nos preocupamos com o salário do magistério e, com o passivo, nós vamos ter de resolver — explicou ontem, em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha.

Procurado por ZH para avaliar a projeção para a conta dos precatórios, Tonollier não quis falar.
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/politica/noticia/2013/01/piso-do-magisterio-amplia-rombo-nas-contas-do-governo-do-estado-4008684.html
.