Seguidores

Sejam Todos Bem Vindos!!! Deixem seus comentários, sugestões e críticas

Parabéns Educadores e Demais Cidadãos Gaúchos!!! Yeda (Nota Zero, Déficit Zero e Aumento Salarial Zero) Já Foi Demitida, MAS, deixou seus representantes no Governo e na Assembleia Legislativa!

sábado, 25 de outubro de 2014

O segundo turno e as pesquisas...

Por Siden* - 25.10.14
http://www.tribunadainternet.com.br/90569/
Tem pesquisas para todos os gostos. Nem todos...

Pesquisas para todas as tendências? Nem todas...

Até parece que estão consultando videntes.

Esses videntes que acertam tudo. Como por exemplo, enchentes no sul e secas no nordeste.

A propósito, alguém previu a falta de água em São Paulo?

Nem o governo tucano!

Parece que um humorista, fazendo sátira da situação, teria criado a frase "Meu banho, minha Vida", em alusão à crise hídrica naquele Estado.

Vida dura! E sem água...

Só fazendo piada, tentando superar...

2º Turno!

Curiosamente, a revista Veja sai dois dias antes...

Parece que o Titanic era comandado pelo tataravô de Lula, segundo site que ironiza a revista...

Mas, alguém ainda lê a Veja?

Pesquisas!

Nem boca de urna é confiável...

Será que acertam dessa vez?

Ou, pelo menos chegam perto?

Não falarei em nenhum candidato...

Podem achar que sou tendencioso.

Não posso nem falar em loja de construção.

Podem achar que virei "marketeiro"...

Vamos esperar abrir as urnas...

Bom domingo a todos e a todas!

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual.

domingo, 19 de outubro de 2014

O partido de Sartori não é o Rio Grande.

Por Siden* - 19.10.14


O partido de Sartori não é o Rio Grande.

No entanto, Sartori insiste em afirmar essa inverdade.

Sim, quando o candidato afirma isso, está faltando com a verdade.

E por uma razão muito simples. Esse partido não existe.

Mas, a afirmação de Sartori me intriga...

Por que o candidato quer esconder que seu partido é o PMDB?

Por quê, me questiono?...

Talvez, porquê o seu partido sempre tratou mal a educação no RS.

A verdade, que o PMDB de Sartori sempre deu migalhas à educação...

Sabem porque o Piso dos professores não é, hoje, de 2,5 salários mínimos?

Porque Simon, do PMDB, quando foi eleito governador entrou com uma ADIN no STF para não mais pagar. Sim, o governo anterior já nos pagava 2,5 salários  mínimos de Piso.

Se, o nosso Piso Salarial atual, não é de R$ 1.810,00, agradeçam ao PMDB de Sartori.

O PMDB é também responsável pelos nossos salários insuficientes.

E grande responsável!

Talvez, seja por isso que o candidato não quer que olhamos o passado.

Também por isso, que Sartori diz que o seu partido é Rio Grande.

Como já disseram, a estratégia de Sartori de que "o meu partido é Rio Grande", em linguagem vulgar, pode ser vista como uma espécie de trapaça...

E candidato, não me venha, por favor, com essa conversa mole de unir o Rio Grande.

Só falta, o candidato de estratégia enganosa, afirmar que vai unir colorados e gremistas.

Ou seja, nessa falácia "Paz e Amor" de Sartori, , só falta o candidato afirmar que no seu governo os colorados irão torcer pelo Gremio e vice-versa.

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual.
.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

A equação do 2º turno

Por Siden* - 14.10.14


No 1º turno Sartori apoiou Marina.

Marina ficou fora.

No 1º turno Ana Amélia apoiou Aécio.

Ana Amélia ficou fora.

Agora, Ana Amélia apoia Sartori, que apoiou Marina.

Ana Amélia, no debate da TV, acusou que o vice de Sartori era favorável à venda do Banrisul.

No entanto, Ana Amélia apoia Sartori.

Ana Amélia e Sartori seriam também favoráveis à  venda do Banrisul?

Marina, que falava em nova política, agora apoia Aécio.

Isso é nova política?

O PDT gaúcho liberou seus eleitores.

O PDT, que ficou mais de três anos no governo Tarso, não poderia ficar em cima do muro...

Agora, Sartori apoia Aécio?

Aécio perdeu as eleições em Minas Gerais, no 1º turno, no Estado que foi governador.

Sartori não quer que se olhe para trás.

Será que o candidato não gosta de retrovisor?

Sou teimoso ... Insisto...


Olho pelo retrovisor...

Vejo o partido de Sartori de braços dados com o Governo YEDA.

O Governo Yeda, que massacrou os educadores, cujo partido do Aécio, agora, apoia o candidato do PMDB.

Será que entendi?

Sartori = YEDA + Ana Amélia + Marina + Aécio (a nova política que apoia a velha)

Seria essa a equação do 2º turno?

Então, a nova política de Sartori, que apoiou Marina, resulta na igualdade 2 + 2 = 5 ?

Lembrei-me de um candidato a candidato a presidente, no passado, do mesmo partido de Sartori, que não pode concorrer porque não sabia média ponderada...

A Matemática é uma ciência exata!

*Siden Francesch do Amaral é Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

sábado, 11 de outubro de 2014

O candidato Sartori e as pesquisas

Por Siden* - 11.10.14
As pesquisas erraram.

Até na boca de urna...

Mas, para quê a boca de urna mesmo? Antecipar o resultado em 3 horas? E resultado errado. Para quê?

E tinha candidato correndo por fora, escapando dos embates...

No 2º turno vai ter que debater.

Vai ter que parar de enrolar. Seu partido não é o Rio Grande. É o PMDB.

O mesmo PMDB de Rigotto.

Rigotto que concedeu um reajuste de 8,57% aos professores, parcelado em 5 vezes, após 37 dias de greve...

O mesmo PMDB que apoiou o Governo YEDA.

O partido dele é o PMDB.

O PMDB que andou de mãos dadas com o Governo YEDA.

O candidato vai ter quer assumir.

Basta de enrolação!

Qual é a sua proposta para educação?

E o Piso dos professores? Vai pagar?

Vai respeitar o Plano de Carreira?

E a questão das horas atividades? 

E o IPE Saúde, que em algumas cidades o atendimento é pior que o SUS?  Qual a proposta?


No 2º turno vai ter que responder. Vai ter que responder essas e outras questões...

Fala mansa não basta.

Todos nós já sabemos que ele foi prefeito de Caxias...

Mas, para os Trabalhadores em Educação, qual a proposta ?

Não vai dar mais para correr por fora.

Jogar livre é uma coisa, marcado é outra.

Afinal, o Governo Tarso e suas propostas já conhecemos.

Ou quem sabe, pensamos que conhecemos...


Esse 2º turno promete.

E as pesquisas?

Nem quero saber...

Alguém ainda acredita em pesquisas?

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual.
.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Educação e democracia

O nosso modelo educacional está parado no século 14 (esse destaque foi feito pelo blog 14º Núcleo).
07.10.14

Vitor Paro fala sobre Educação e o exercício da democracia. O educador defende que a escola precisa ensinar o ser humano a se firmar como sujeito

Para Vitor Paro, defensor de princípios democráticos na escola e pesquisador das áreas de gestão e políticas educacionais, “a educação é a apropriação da cultura pelos indivíduos. Portanto, ela deve produzir o sujeito”. Paro conversou com a revista Gestão Educacional a respeito das práticas adotadas nas escolas brasileiras durante o Educasul 2014, realizado em maio deste ano em Florianópolis (SC).

Professor titular (colaborador sênior) na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), onde exerce a docência e a pesquisa, é autor de diversos artigos e livros da área educacional. Para o professor, que considera que a escola e a família são responsáveis pela formação cultural do indivíduo, a articulação da comunidade escolar na construção de práticas emancipatórias precisa garantir a participação efetiva dos pais e responsáveis, tanto como direito quanto como necessidade da escola. Ele também questiona a estreiteza da atual configuração curricular do ensino fundamental. Acompanhe a entrevista.

Gestão Educacional: Ensino de qualidade está relacionado à organização democrática da escola?

Vitor Paro: A democracia deve ser um princípio das escolas e verdadeiramente exercida. Porém, a educação é controlada pelo poder, e é no âmbito político que deve vir a mudança para que o homem possa ser visto como um ser social. A escola precisa ensinar o ser humano a se firmar como sujeito, ser senhor de sua vontade, se pronunciar sobre a natureza. O que está muito longe do padrão brasileiro, que aplica o autoritarismo, dominando o sujeito. A educação é a apropriação da cultura pelos indivíduos (conhecimento, arte etc.). Portanto, ela deve produzir o sujeito, respeitando-o como humano.

O que é preciso mudar na estrutura da escola para garantir o direito à educação e à aprendizagem efetiva?

Paro: Questiono a estreiteza da atual configuração curricular do ensino fundamental, expressa nas próprias avaliações em larga escala patrocinadas pelas políticas educacionais. Há necessidade de um conteúdo do ensino que, por razões técnicas e políticas, não pode se bastar em conhecimentos e informações, mas deve expandir-se para a cultura em sentido pleno, como direito universal, que também inclui valores, filosofia, crenças, direito, arte, tecnologia, tudo que é produzido historicamente e que precisa compor a formação plena de personalidades humano-históricas. A escola deve ver que o indivíduo só vai aprender se ele quiser. Portanto, ela não oprime, e sim dialoga. Tem que correr o risco de modificar o ser humano, e isso só se consegue se forem oferecidas condições para aprender. E esse objetivo será alcançado se a relação pedagógica com a democracia for plena. As percepções e imagens sociais do poder na educação escolar devem referir-se aos alunos, professores e demais educadores escolares. É de máxima importância atender às expectativas que os estudantes têm do processo de aprendizado, sendo que já trazem orientação de casa. A ação educativa desenvolvida na escola deve ser continuamente realizada de modo que consiga cativar o interesse e a predisposição positiva do educando em relação ao ensino. É fazendo-se desejável e sendo enriquecedor da personalidade que o ensino pode favorecer o indivíduo. Na concepção de educação pela qual estamos nos guiando, a imagem do poder da criança e do jovem com os quais o educador lida precisa ser não apenas positiva e de aceitação de sua subjetividade, mas também realista e informada pelos avanços da ciência, que propiciam ao educador condições de exercer com competência sua função docente, com base em um maior conhecimento e na familiaridade do desenvolvimento biopsíquico e social do educando.

No Brasil, há exemplos de escolas que exercem bem essa condição de democracia em seus modelos de gestão e pedagógico?

Paro:São bem raras as escolas que têm a democracia verdadeiramente como princípio. Praticamente não existe [escola] no Brasil. A educação de nosso País é pautada em medidas socioeconômicas. O nosso modelo educacional está parado no século 14. Os jovens são tratados como seres irracionais e precisam ser sujeitos. As crianças querem brincar e a escola não consegue fazê-las aprender brincando. Hoje ensina-se a decorar o conteúdo, de forma que não se aprende na essência. Há mais de 70 anos, foram feitas experiências que mostram que as crianças aprendem com outras crianças. Em vez de a escola refletir sobre esse método, coloca os pequenos em salas quadradas por quatro horas ouvindo um adulto. Dessa forma, surge o grande problema da educação no Brasil. São incutidos valores antidemocráticos com o exercício desse método que é tecnicamente falido. Infelizmente, há incompetência na singularidade do ensino pedagógico. O sistema brasileiro tem como meta passar o aluno de ano para melhorar estatísticas. Só vê números. Além da extrema preocupação com a estrutura, em ter aparelhos de última geração. Enquanto que o problema é bem mais simples de resolver. Ensinar é propiciar ao educando o aprender. Quem realiza o aprendizado é o educando.

Como deve ser a participação da família na escola?

Paro: A família tem papel fundamental na inserção do aluno na escola. Grande parte do trabalho do professor seria facilitada se o estudante já viesse para a escola predisposto ao estudo e se, em casa, ele tivesse quem, convencido da importância da escolaridade, o estimulasse a esforçar-se ao máximo para aprender. Assim, tendo em vista, por um lado, a complexidade das relações que se dão entre escola e seus usuários e, por outro, a importância da influência da família no aprendizado escolar, é preciso especial cuidado no planejamento e na realização de medidas que propiciem um produtivo diálogo entre as duas instâncias: a escolar e a familiar.

Como a escola pode conscientizar a família da importância de sua participação na vida educacional do aluno?

Paro: A razão de a escola existir é a população. Por isso, é direito da família participar da escola. É ela quem paga a escola. Uma boa escola só existe se os pais participam. A criança chega à escola com toda a educação que recebeu em casa. É daí que vem a importância dos pais em estimular a criança. Eles devem ter um lugar de estudo em casa para se concentrarem sem a presença de aparelhos eletrônicos. O papel da escola é conscientizar os pais a exercerem essa função. Afinal, eles são educadores sem ter formação para isso. É necessário que as escolas fomentem grupos de formação de pais, passando todas as orientações para que a educação seja completa. Há conhecimento técnico para estimular a predisposição a aprender. Além disso, é muito importante também mostrar aos pais que é fundamental tratar os filhos com carinho, sem bater, e responder os questionamentos que ele venha a fazer. No meu livro Qualidade do ensino: a contribuição dos pais (Ed. Xamã), conto um exemplo em que a escola foi às últimas consequências para conseguir esse propósito.

Quais as características de uma administração escolar comprometida com a transformação social?

Paro: Em outro livro de minha autoria, Por dentro da escola pública (Ed. Xamã), afirmo que o que alicerça a escola, os pais e os educandos é a relação pedagógica democrática. Costumo citar uma frase de Millôr Fernandes: “A ternura, mesmo simulada, tende a criar ternura verdadeira por parte do outro e a tornar verdadeira a ternura que o primeiro simulou”. E é esse o papel que a administração escolar precisa exercer. Com esse entendimento, conseguem-se adeptos. Não se pode ir contra o sistema, e sim se utilizar da sedução pedagógica para conquistar peças-chave do poder ao nosso favor. Deve-se lutar unido, e não contra. Administrar uma escola pública não pode ser [uma ação] reduzida a métodos e técnicas importadas. Está muito longe de ser visto como lucro, como a sociedade capitalista vê. Se entendida a educação como apropriação da cultura humana produzida historicamente, sobressai a importância da realização eficiente dos objetivos da instituição escolar, voltada ao atendimento da classe trabalhadora.

Qual o papel sociopolítico da educação?

Paro: Quando o governo tiver olhos verdadeiros para a educação, o objetivo será formar um [ser] humano histórico e cultural. Unidos, educadores e comunidade poderão conquistar um ensino público de qualidade. O que parece utopia é um problema prático. Cada um dos muitos problemas que emperram a democratização da estrutura escolar tem solução se o poder e a autoridade nos estabelecimentos de ensino forem redistribuídos. Só assim a escola poderá se tornar um instrumento do Estado, a serviço da educação. 

Fonte: Gestão Educacional
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.

domingo, 5 de outubro de 2014

A pesquisa válida

Por Siden* - 05.10.14

Hoje, depois da apuração das urnas teremos a pesquisa que vale.

As pesquisas oscilaram tanto numa semana que é difícil levá-las a sério...

Fico pensando...

Se adulteram o leite, colocando formol, água... Imagino o que podem colocar nas pesquisas.

Talvez, seja desconfiança minha...

Se, tem candidatos que mudam tanto de opinião ou de discurso, ou que, a sua prática contradiz ao discurso, as pesquisas também podem variar...

Vi e ouvi alguns programas do horário eleitoral.

Assisti os debates.

Assistindo alguns debates me questionova sobre alguns candidatos...

Como pode ele ser candidato a tal cargo...?

Prefiro não elencar esses, em respeito aos seus eleitores.

Mas, também pude perceber que tem aqueles(as) bem preparados (as) ...

Como cidadão entrei na campanha dos meus candidatos. Conversei com vizinhos, amigos e colegas. 

Democracia exige participação.

Faço militância político partidária porque gosto de participar. Nunca tive cargo, nem almejo.

Se tentaram atirar pedras em meu caminho por causa de minha militância sindical coerente, terminaram meus detratores tropeçando nelas.

A coerência é um caminho difícil, árduo de ser percorrido. Ela faz com que, passamos a desconhecer, a quem  no passado,  dialogava de igual pra igual com a gente...

Ser coerente, é não transformar nosso passado de luta numa caricatura irreconhecível.

Contentar-se com o menos pior, pode também significar acomodação.

Por outro lado, os erros na política, também podem ser o reflexo da imperfeição humana... Como afirmou Paulo Freire " somos seres históricos em construção, inacabados e inconclusos, numa realidade também inacabada"...

Voltando a questão das pesquisas...

Se as últimas estiverem corretas, o 2º turno para Presidente e Governador (no RS) promete emoções fortes...

Não me atrevo a fazer nenhuma previsão. Prefiro esperar a apuração, pois além da possibilidade do erro dos dois pra menos, ou pra mais, os indecisos podem, paradoxalmente, decidir...

Viva a democracia!

Boa eleição a todos e a todas!

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Direção do CPERS reúne-se com presidente do IPE

02/10/2014 16:57
Nesta quinta-feira, dia 02,a direção do CPERS reuniu-se com o presidente do Insitituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul - IPE, Valter Morigi. Na ocasião, a presidente do Sindicato, Helenir Oliveira, entregou um relatório com as denúncias que foram apuradas por diversos núcleos do CPERS, em todo o Estado.

Segundo os relatos,vários médicos não realizam atendimento médico pelo IPE por estarem descredenciados e, quando atendem, cobram taxas abusivas, descumprindo a tabela do IPE. Além disso, há denúncias sobre a demora excessva para a marcação de consultas ou exames e cobrança de taxas extras, incluisve em procedimentos hospitalares.

O presidente do IPE assegurou que serão apuradas todas as denúncias. Também afirmou que estão revitalizando o Instituto e que não há interesse na privatização do IPE.

A direção do CPERS cobrará a resolução dos problemas apresentados e a manutenção do IPE público,prestando serviço de boa qualidade.

Os núcleos que  enviaram as denúncias até as 9 horas do dia 02 de outubro foram:

1º Núcleo (Caxias), 2º (Santa Maria), 3º (Guaporé), 5º (Montenegro), 6º (Rio Grande), 8º (Estrela), 9º (Santo Ângelo), 11º (Cruz Alta), 12º (Bento Gonçalves), 13º (Osório), 14º (São Leopoldo), 16º (São Borja), 21º (Uruguaiana), 24º (Pelotas), 25º (Lagoa Vermelha), 27º (Três Passos), 28º (Soledade), 29º (Santiago), 30º (Vacaria), 31º (Ijuí), 32º (Taquara), 34º (Guaíba), 35º (Três de Maio), 39º (Porto Alegre-Sul) e 41º (São Gabriel).

http://www.cpers.org.br/index.php?&menu=1&cd_noticia=4008
Por Joana Flávia Scherer, Assistente Geral do 14º Núcleo.
.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

O candidato Lasier

Por Siden - 02.10.14

Acredito ser uma contradição o candidato estar no partido do Senador Cristóvan Buarque que tanto defende a educação...

Mas, a política é cheia de contradições...

Destaco uma fala do candidato Lasier Martins quando esse apresentava do Jornal do Almoço:

"Para pagar o Piso do magistério tem que mexer no Plano de Carreira".

Isso, colegas, eu ouvi ele dizer, ninguém me contou.

Mais colegas também ouviram e viram...

E agora quer ser senador...

Ora, mexer no Plano de Carreira, não tenho dúvida que é sucateá-lo, rebaixá-lo.

Mexer no Plano de Carreira...

Vocês conhecem algum Prefeito ou Governador que mexeu no Plano Carreira dos Educadores para implementar a Lei do Piso e melhorou o Plano?

Se existe, desconheço...

E, para finalizar, como diz a professora Doroteia: "O Educador não esquece, Lasier é RBS".

Boa eleição a todos e todas!

Colega Siden

domingo, 28 de setembro de 2014

As pesquisas eleitorais e outras variáveis...

Por Siden* - 28.09.14

Na pesquisa de sexta,  quem estava  segunda, no segundo, empatou,

Ora os candidatos sobem, ora descem...

Tantas oscilações,

Parece Marina, mudando de opinião...

Deve ter rede de TV desesperada,

Seus candidatos(as) em situação temerária...

Tem candidata " viúva da ditadura"...

Parece que tem fazenda não declarada,

Talvez,  administrada por CC fantasma...

E as pesquisas vão oscilando...

Tem candidatos de ontem...

Chegou mensagem nova...

É a Marina que mudou o discurso, novamente.

Atenção,

Nova pesquisa,

Quem estava empatando, passa à frente,

Vem se aproximando o momento eleitoral,

As pesquisas tem que se aproximar do resultado das urnas,

Dois pra menos, dois pra mais...

Lembrei-me de passo de dança,

Dois pra lá, Dois pra cá...

A dança dos números,

Dos candidatos,

E assim, todo mundo dança...

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual.


Após auxílio-moradia, juízes pressionam por auxílio-alimentação
Servidores do Judiciário protestaram no Estado contra benefícios da magistratura
Voltaire Porto - 30/09/2014 20:49
Após a garantia do pagamento de auxílio-moradia para juízes, desembargadores, promotores e procuradores, o presidente da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), Eugênio Couto Terra, defendeu o direito a mais um benefício para a categoria. Ele lembrou que, desde 2011, a entidade pede auxílio-alimentação e a expectativa é de que haja uma definição em breve. “Entramos com esse pleito em 2011 e houve indeferimento do pedido por parte do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Com isso, recorremos ao Conselho Nacional de Justiça e aguardamos uma decisão”, declarou.

A Ajuris também solicitou uma reconsideração da negativa do TJ. O julgamento havia sido marcado para esta semana, mas o desembargador Luiz Felipe Silveira Difini optou por protelar a análise. A tendência é de que a Corte volte a debater o encaminhamento da Ajuris só em 2015.

Um dos argumentos usados pelo presidente da Ajuris é o da isonomia. “Isso envolve a igualdade da magistratura do Rio Grande do Sul com a do resto do Brasil. Quase todas as magistraturas, seja no âmbito federal ou estadual, recebem auxílio-alimentação, a carreira é una, é nacional, nossa estrutura é uma só?, justificou Terra.

Em meio à concessão de benefícios para o Poder Judiciário, o reflexo é a indignação do funcionalismo público, em especial de quem trabalha diretamente com juízes, desembargadores, promotores e procuradores. No começo da tarde desta terça, houve protesto em frente ao Tribunal de Justiça, na avenida Borges de Medeiros, em Porto Alegre. No interior, no mesmo horário, algumas comarcas tiveram as atividades suspensas em função da paralisação dos trabalhadores. A manifestação foi organizada pelo Sindijus.

O diretor da entidade, Fabiano Zalazar, atacou a oferta dos chamados penduricalhos da magistratura. “É inconcebível esse tipo de remuneração maquiada. Não podemos aceitar essa situação. Há uma série de precariedade na qualidade e na estrutura dos nossos serviços que depende de investimentos para reverter o quadro, há tempos reivindicamos aumento real e recuperação inflacionária das perdas salariais e, em apenas duas semanas, os juízes resolvem os seus problemas de vencimentos”, lamentou.

O salário de um juiz varia de R$ 19 mil a R$ 26 mil e o auxílio-moradia é projetado em mais de R$ 4 mil. A leitura da Ajuris é a de que os recursos para o auxílio-alimentação devam ser inferiores a esse valor. A quantia deve ser regulamentada pelo CNJ.

Fonte: Rádio Guaíba

http://www2.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=537007

sábado, 27 de setembro de 2014

Bancários aprovam greve a partir de terça-feira no Estado

26/09/2014 | 09:01
Assembleia dos bancários aprovou na noite de quinta-feira, 25, em Porto Alegre, greve da categoria para todo o Estado.

Paralisação será por tempo indeterminado/Foto: Ilustração
A paralisação deve atingir o funcionamento de bancos públicos e privados por tempo indeterminado a partir de terça-feira, 1º de outubro.

Proposta de reajuste salarial apresentado pela Federação Nacional dos Bancos, a Fenaban, foi rejeitada.

Os trabalhadores do Banrisul, que possuem uma pauta específica, também devem paralisar as atividades.

Fonte: Três Passos Online 

IPE e Hospitais terão nova reunião na segunda-feira, para evitar paralisação no atendimento de segurados
26/09/2014 - 16h24
A reunião das entidades médicas e hospitalares gaúchas com o centro de governo e o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (Ipergs) trouxe avanços às negociações, na tarde desta quinta-feira (25). O Grupo Paritário trata, entre outros itens, da atualização da tabela de remuneração dos serviços prestados ao Instituto. Do conjunto da pauta, apenas dois pontos serão reestudados: a remuneração dos medicamentos e a implantação da tabela CBHPM (Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos).

Uma nova reunião está marcada para segunda-feira (29), com o objetivo de aproximar as propostas. O Ipergs injeta anualmente R$ 1,5 bilhão na assistência à saúde dos servidores do Estado (IPE-Saúde), com recursos provenientes da contribuição dos funcionários públicos e do governo. “Temos muita responsabilidade no que diz respeito à aplicação desses recursos, e estamos dispostos a esgotar todas as possibilidades nesta negociação”, afirma o presidente do IPE, Valter Morigi.

Fonte: Rádio Fandango

Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Ajuris vai pedir que auxílio-moradia seja estendido a juízes aposentados

18h27  25-9-2014
O presidente da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), defendeu hoje que magistrados aposentados também tenham direito a auxílio-moradia, assegurado por meio de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). O benefício, que de início parecia se restringir apenas à Justiça Federal, vale também para os tribunais estaduais, inclusive os de Contas, e é estimado em R$ 4,3 mil por mês. Eugênio Couto Terra alertou que a decisão é clara. “O ministro (Luiz) Fux deu uma resposta bem clara à presidência do Conselho Nacional de Justiça, o que nos leva a essa possibilidade. A medida vale para todos os magistrados, indiscriminadamente, não apenas federais, portanto, vamos fazer todos os esforços para garantir a medida a inativos”, projetou.

O impacto anual nos cofres públicos pode chegar a R$ 60 milhões, caso os 747 juízes e desembargadores em atuação, além dos 409 aposentados, recebam o benefício no Rio Grande do Sul. Outro entendimento é a de que há isonomia entre os magistrados e as carreiras do Ministério Público, o que eleva o montante para um patamar superior a R$ 100 milhões.

De acordo com o presidente da Ajuris, juízes militares também podem ganhar o incentivo. No País, existem três estados com Tribunais de Justiça Militar Estadual – São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Em território gaúcho, são 15 juízes ativos, embora a informação inicial seja de que a Corte não vai pleitear a regalia.

Os magistrados gaúchos recebem hoje salários variando de R$ 19,3 mil a R$ 26,5 mil. O direito ao auxílio-moradia se estende a juízes e promotores com imóvel próprio quitado ou financiado. O benefício só não é pago em cidades onde o Poder Judiciário dispõe de residência oficial.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) ainda examina se vai ou não recorrer para impedir o pagamento do auxílio-moradia. O governador Tarso Genro é favorável a que haja recurso

Fonte: Rádio Fandango
Em tempo: Para o Piso Nacional dos Professores, um Piso para Funcionári@s e para pagar as RPVs e os Precatórios, os governos estaduais e municipais, deputados e vereadores e, os juízes, dizem que Não há dinheiro!
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Juízes querem bolsa moradia e bolsa escola

Postado por Juremir em 23.09.14
Nunca verei tudo na vida destas minhas retinas já tão fatigadas de ler as mesmas poesias.

Depois da tal Parcela Autônoma de Equivalência, juízes querem um novo auxílio moradia, mesmo para quem tem casa própria e já se aposentou. É o bolsa mamata domiciliar. Uma teta dessas exige uma vaca generosa, inesgotável e amoral.

Parece que os juízes querem também auxílio para colocar os filhos na escola.

E não querem saber de comentários. Afinal, coisas de justiça não devem ser comentadas por leigos.

Entro com o refrão: teta, tetinha, tetão. Se político mama, por que juiz não?

Fonte: Blog do Juremir Machado da Silva - Correio do Povo
Por Siden
.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Após decisão do STF, magistrados gaúchos também querem auxílio-moradia de R$ 4,3 mil

Ana Ávila - 22/set/2014, 20h34min
No dia 15 de setembro, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o pagamento de auxílio-moradia a todos os juízes federais do país. O valor ainda deverá ser regulamentado, mas deve ficar em torno de R$ 4,3 mil. A Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) entrou com um pedido no Tribunal de Justiça do Estado (TJE) para que os juízes e desembargadores do Rio Grande do Sul recebam o mesmo benefício. Contrário ao pedido dos magistrados, o presidente do Sindicato dos Servidores do Ministério Públicos do RS (Simpe), Alberto Ledur, critica, entre outras coisas, o fato de a decisão passar por cima do poder Legislativo. A Ajuris alega tratar-se de uma decisão administrativa e, portanto, não necessita submeter-se ao crivo de outros poderes.

O auxílio já era pago a juízes de 20 Estados quando Luiz Fux tomou a decisão. De acordo com o ministro, não era justo que apenas uma parcela dos magistrados recebessem o benefício. O presidente da Ajuris, Eugênio Couto Terra, pensa de modo semelhante. Ele afirma que os juízes gaúchos já recebem a menor remuneração do país e que fica difícil mante bons profissionais no Estado sem oferecer um salário competitivo. O valor mínimo bruto pago a um juiz no RS é de aproximadamente R$ 19.300. “Se não houver uma remuneração digna, não temos como manter a qualidade. Os profissionais farão concurso para outro lugar”, diz ele.
[...]
Leia mais em
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.



Advogado suspeito de lesar 30 mil clientes é preso em Passo Fundo
Mauricio Dal Agnol foi o principal alvo da Operação Carmelina
Por Fernanda Pugliero e Acácio Silva - 22/09/2014 20:38

O advogado Mauricio Dal Agnol, suspeito de lesar pelo menos 30 mil clientes e lucrar indevidamente cerca de R$ 300 milhões de seus clientes, foi preso pela Polícia Federal de Passo Fundo no final da tarde desta segunda-feira. O delegado da PF do município, Mario Luiz Vieira, informou que os agentes cumpriram o mandado de prisão no momento em que o advogado chegava em seu escritório.

Com o advogado, os federais apreenderam uma pasta com dinheiro. Estimativa inicial da Polícia Federal indicou que haveria cerca de R$ 200 mil. Para o delegado, o indício é de que ele planejava fugir do país ainda nesta noite.
[...]
A operação foi batizada de Carmelina porque este era o nome de uma mulher que teve cerca de R$ 100 mil desviados no golpe. Segundo a PF, ela morreu de câncer, e poderia ter custeado um tratamento se tivesse recebido o valor da maneira adequada.
http://www2.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=536348

http://noticias.band.uol.com.br/cidades/rs/noticia/100000709387/Preso-advogado-suspeito-de-roubar-R$-300-milhoes-de-seus-clientes.html
Por Siden
.

sábado, 20 de setembro de 2014

Hospitais dão ultimato ao Governo do Estado e IPE para reajuste nas tabelas

19/09/2014 - 19h49
A Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, do qual faz parte o HCB de Cachoeira,  deu ultimato, até o fim do mês, para que o governo gaúcho dê resposta sobre o reajuste de repasses do IPE. A alegação é de existe defasagem de até 25% nos valores repassados às instituições. O risco é de suspensão dos atendimentos eletivos aos conveniados a partir de 1º de outubro. O presidente da entidade, Júlio Matos, adverte que a decisão já foi tomada.

“É lógico que esperamos um retorno positivo, até 30 de setembro. No dia seguinte faremos uma avaliação em assembleia. Se não houver evolução já tomamos a decisão de não realizarmos mais atendimento eletivos, mas só vamos oficializá-la na assembleia”, adiantou.

De acordo com dados da instituição, os valores pagos pelo IPE pelos serviços prestados estão defasados. O último reajuste no repasse de medicamentos, por exemplo, ocorreu em 2010. Já os custos pagos por internações são os mesmos desde de 2011. Os hospitais dizem que a quantia paga por uma diária em leito na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) é de R$ 381,66, enquanto os gastos atingem R$ 1.277.

O governo acenou para um reajuste na tabela das diárias das internações. Entretanto, o entendimento é de que o aumento para os gastos com medicamentos é regulado por lei federal.

Fonte: Rádio Fandango
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.

.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

HORÁRIO DE ATENDIMENTO

ESPECIAL NO MÊS DE SETEMBRO
Do dia 16/09 até o dia 30/09 –
Estaremos com horário de atendimento especial
das 10h às 12h e das 13h30min às 16h.
Obs.: No dia 17/09 não haverá atendimento jurídico na sede do 14º Núcleo do CPERS/Sindicato

Retornaremos com o atendimento normal a partir do dia 1º/10/2014 (das 8h30min às 12h e das 13h30min às 17h30min).

Advogado acusado de lesar 30 mil pessoas deve depositar R$ 1,5 milhão em juízo
Judiciário concluiu que o advogado usou um alvará falso para prestar contas aos clientes
16.09.14 - 17:50
Uma decisão do Tribunal de Justiça gaúcho obrigou o advogado Maurício Dal Agnol a depositar em juízo R$ 1,5 milhão. O valor é reivindicado por dois clientes dele, que dizem não ter recebido o total combinado com o defensor, hoje impedido de exercer a profissão também por decisão judicial. Ele é suspeito de ter desviado mais de R$ 100 milhões de cerca de 30 mil clientes, em 15 anos, em cidade da Serra e do Norte gaúcho. Essa foi mais uma decisão favorável a pessoas que se dizem lesadas pelo investigado.

A desembargadora Ana Beatriz Iser, da 15ª Câmara Cível, manteve decisão de 1º grau. Assim, confirmou a sentença do juiz Sebastião Francisco da Rosa Marinho, da 4ª Vara Cível da Comarca de Passo Fundo, obrigando o depósito dos valores para garantir o pagamento do valor discutido, em caso de condenação.

As vítimas acionaram a justiça postulando o pagamento, pelo advogado, de RS 2,8 milhões. Narraram que o réu as representou em processos movidos contra a antiga CRT para receber valores de ações da então estatal. Acordos no valor de R$ 1,5 milhão foram fechados, mas os clientes receberam R$ 44 e R$ 33 mil.

O juiz Sebastião Marinho requisitou ao Banco do Estado do Rio Grande do Sul os extratos das contas mencionadas nos dois alvarás. Conforme análise do magistrado, foi constatado que havia indícios da fraude. O magistrado concluiu que o advogado usou um alvará falso para presar contas aos clientes.

Fonte:Samuel Vettori/Rádio Guaíba
http://www.radioguaiba.com.br/noticia/advogado-acusado-de-lesar-30-mil-pessoas-deve-depositar-r-15-milhao-em-juizo/
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

domingo, 14 de setembro de 2014

Tragédia na Educação

"O Brasil não pode aceitar esses resultados de reprovação na Educação. Ter como meta a média 5 é continuar regredindo", afirma Vicente Vuolo.
14.09.14
A palavra tragédia é originária da rica poética e tradição religiosa da Grécia Antiga. É uma forma de drama que se caracteriza pela sua seriedade, dignidade e frequentemente os deuses, o destino ou a sociedade. O filósofo Aristóteles teorizou que a tragédia resulta numa catarse da audiência e isto explicaria o motivo dos humanos apreciarem assistir ao sofrimento dramatizado.

Nos tempos modernos é comum designarmos essa palavra para um fato que aconteceu, o qual é muito ruim, como por exemplo: o incêndio de Santa Maria, a queda do viaduto de Belo Horizonte, o desabamento do teto do aeroporto Marechal Rondon, o desastre aéreo com o presidenciável Eduardo Campos.

Já as notícias sobre a Educação em nosso país, como as notas no Ensino médio - o IDEB de todas as Escolas brasileiras - que apresentou a média 3,7 não surpreende e de longe parece ser uma tragédia.

Como afirmou o Senador Cristovam Buarque, esta semana da tribuna do Senado: Algum de vocês ficaria feliz se o filho de vocês tivesse nota 3,7? Pois essa é a nota do conjunto das crianças brasileiras. É a nota da Escola que nós estamos oferecendo aos nossos brasileiros, e isso parece que não espantou o Brasil, nem surpreendeu, por que se sabe dessa realidade. Essa nota é ainda menor se a gente considera as Escolas públicas estaduais e municipais, que fica em 3,4 apenas.

O fato do Brasil amargar a 38ª posição de um total de 40 países avaliados pelo ranking internacional de Educação é um escândalo, segundo o senador Cristovam.

É um escândalo, sim, conforme bem disse o Educador português José Pacheco: O Brasil possui a Escola do século 19, o Professor do século 20 e o Aluno do século 21".

São muitos problemas que se acumulam ao longo dos anos. Entre eles, sobressaem currículos defasados, Professores mal remunerados, despreparados e gestão deficiente. O diagnóstico não é novo. Mas, o remédio, embora receitado por técnicos e especialistas, apresenta uma tragédia que não se restringe ao Ensino oferecido pelo Estado. A Escola particular que funcionava como refúgio para quem podia pagar por melhor preparação dos filhos, também teve desempenho negativo em 2013.

O desempenho decepcionante do Índice de Desenvolvimento da Educação básica (IDEB) de 2013, o relatório Panorama da Educação de 2014 da OCDE - o clube dos países - mostra que o investimento do Brasil no setor continua decepcionante. E bem distante da média das nações mais desenvolvidas.

De acordo com o estudo, o gasto médio anual brasileiro por estudante, de US$ 3.066 em 2011, só supera os US$ 625 da Indonésia. Os valores nacionais são inferiores aos de países de renda similar, como Turquia, México e Hungria e muito distantes da média de US$ 9.487 do conjunto de países que compõem a OCDE (organização da qual o Brasil não faz parte). No topo da tabela figuram nações como Suíça (US$ 16.090) e Estados Unidos (US$ 15.354).

Com relação aos investimentos per capita por segmento da Educação (Ensino médio) o Brasil só ganha de Indonésia e Colômbia. Nosso valor, de US$ 2.605 por Aluno, fica atrás de Argentina (US$ 3.184), Turquia (US$ 3.239) e México (US$ 4.034).

Outro dado apresentado pela OCDE, mostra a discrepância no investimento por Aluno entre os Ensinos fundamental e superior brasileiros: o superior tem quatro vezes mais recursos que o outro. Ou seja, nosso modelo universitário prioriza universidades públicas de excelência destinadas à elite.

Os nossos Professores também ganham menos. Um Professor iniciante da rede pública, que dá aulas nos primeiros anos do Ensino fundamental, ganha em média cerca de US$ 10.375 por ano. Acima apenas da Indonésia. A média dos países da OCDE ficou em US$ 29.411. No Ensino médio, um Professor iniciante no Brasil também ganha por ano US$ 10.375, ficando ainda mais atrás da média da OCDE, de US$ 32.255. E o pior disso tudo, é que o piso salarial do Professor de Educação básica, que hoje está em torno de R$ 1.700 mensais, sequer foi implementado em todo o país. E para completar, o Docente no país não sofre apenas com baixos salários, mas, principalmente, com más condições de trabalho.

O Brasil não pode aceitar esses resultados de reprovação na Educação. Ter como meta, a média 5 é continuar regredindo. É a maior de todas as corrupções deste País. A corrupção de prioridades: o abandono da Educação das nossas crianças. É uma tragédia!

*VICENTE VUOLO é cientista político e analista legislativo do Senado Federal 
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Queda no Ideb, culpa do professor?

Culpar professores por queda no Ideb é falácia e covardia

A declaração do vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação – Consed de que a culpa pelas notas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB seria das greves de trabalhadores em educação, só pode ser entendida como subterfúgio de quem detém a prerrogativa de mudar uma situação calamitosa no país, mas se omite, insistentemente.

Contrapondo a lamentável declaração do Sr. Eduardo Deschamps, Secretário de Educação de Santa Catarina, vale lembrar que o amplo descumprimento da Lei do Piso do Magistério e as péssimas condições de trabalho nas escolas são fatores centrais para a baixa qualidade da educação. E não será jogando a responsabilidade para os professores que a situação da qualidade se resolverá nas escolas públicas.

Pesquisa da UnB e da UFSC, divulgada em 2013, revelou que apenas 0,6% das escolas públicas do país contam com infraestrutura adequada. No Norte e no Nordeste, 71% e 65% das escolas, respectivamente, possuem condições estruturais elementares (abaixo da média tolerável).

A recente pesquisa da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) mostra que o Brasil ocupa a penúltima posição em investimento por estudante e média salarial dos professores no nível básico de ensino, entre 35 países pesquisados. O salário dos professores brasileiros corresponde a 1/3 (um terço) da remuneração de europeus, japoneses, sul-coreanos e norte-americanos.

Pior: muitos estados e municípios brasileiros possuem mais professores em contrato temporário e precário de trabalho do que concursados. E a múltipla jornada – necessária para complementar a renda familiar dos professores – atinge quase 30% da categoria, comprometendo a qualidade do trabalho escolar e a saúde dos profissionais.

Na última década, segundo o relatório da OCDE, o Brasil avançou no financiamento da educação, passando os investimentos de 3,5% do PIB em 2005 para 5,9% em 2011. Também a diferença no financiamento entre os níveis superior e básico reduziu. Em 2000, o custo per capita de um estudante universitário era 11 vezes superior ao aplicado na educação básica. Hoje é o quadruplo (o que ainda é alto!). O orçamento do MEC para o nível básico, no mesmo período, saltou de 20% para 50%, o que é salutar, porém insuficiente.

A CNTE entende que ao invés de tentar procurar “bodes expiatórios” fora da gestão pública para explicar as notas do Ideb, os secretários de educação deveriam convencer governadores e prefeitos a pagarem o piso nacional do magistério numa estrutura de carreira digna – assim como os demais trabalhadores escolares – e a melhorarem as condições estruturais das escolas públicas, munindo todas com laboratórios, bibliotecas, quadras esportivas, banheiros decentes, acesso à internet, área de lazer e segurança.

O Plano Nacional de Educação orienta a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para as políticas educacionais, e, juntamente com a regulamentação do Custo Aluno Qualidade, do Sistema Nacional de Educação e com a equiparação remuneratória do magistério com outros profissionais de mesmo nível de escolaridade, deverá proporcionar um novo paradigma de investimento e gestão escolar no Brasil. Mas é fundamental que todas as esferas de governos (federal, estaduais, municipais e distrital) atuem em conjunto e façam cada uma a sua parte, para que a educação básica dê o salto de qualidade que a sociedade tanto almeja.

http://www.cnte.org.br/index.php/comunicacao/noticias/13903-culpar-professores-por-queda-no-ideb-e-falacia-e-covardia.html
Por Siden Francesch do Amaral, Professor e Diretor Geral do 14º Núcleo.
.