Seguidores

Sejam Todos Bem Vindos!!! Deixem seus comentários, sugestões e críticas

Parabéns Educadores e Demais Cidadãos Gaúchos!!! Yeda (Nota Zero, Déficit Zero e Aumento Salarial Zero) Já Foi Demitida, MAS, deixou seus representantes no Governo e na Assembleia Legislativa!

sábado, 15 de janeiro de 2011

O futuro ameaçado

Por Siden*
Passamos tempo demais fazendo estragos na educação sem pagar a conta.  O sucateamento da educação foi-se fazendo aos olhos e sob a conivência de grande parte da sociedade. Enquanto os educadores alertavam e lutavam, heroicamente, em defesa da educação, os poderes constituídos não davam a importância devida. Agora, as conseqüências começam a aparecer.

Pois, com tantos estudiosos de educação espalhados por esse país imenso,  poucos se dedicaram à luta pela mudança de paradigmas de uma sociedade que não valoriza o professor.  Se desejarmos ter futuro, na questão da educação com qualidade,  é imprescindível e impostergável tornarmos a profissão  mais atraente aos jovens.

Os baixos salários, condições precárias de trabalho, turmas lotadas e ter que dar aulas para muitas turmas,  estão entre os principais fatores que desestimulam professores e estudantes.

A profissão anda tão em baixa que a CESMAC (Centro de Estudos Superiores de Maceió), a maior rede privada, fechou o curso de Licenciatura em Matemática porque não havia alunos suficientes.

Para reforçar o problema da questão salarial, destaco a afirmação de um aluno do 3º ano do ensino médio, que gosta de matemática, mas não quer ser professor: “Não sei ensinar. E não dá dinheiro – diz o estudante”

No momento em que se fala tanto em qualidade da educação, a questão atual que se coloca é:  quem serão os professores do futuro?

A verdade é que precisamos, urgentemente, tornar a profissão de professor mais atraente, principalmente, pagando melhores salários. Esse é o ponto central, outras afirmativas, são apenas malabarismos de retórica de quem quer desviar o foco.

A falta de candidatos às Licenciaturas é assim explicada pelo diretor de matemática e estatística da USP: “O desprestígio não está na Universidade. Está na sociedade que desvaloriza o professor”

Finalmente, enquanto os governos continuarem a olhar a educação de forma simplista (para não dizer simplória), achando que devaneios como a meritocracia é a solução mágica, o futuro da educação continua sendo enigmático, se é, que podemos pensar em futuro...

*Siden Francesch do Amaral é Professor Estadual, Escritor e Diretor no 14º Núcleo.

Para Valorizar o Professor
Nas 50 linhas de redação da UFRGS, realizada domingo, dia 11, os 30 mil candidatos tiveram de dissertar sobre a crise na profissão daqueles que os prepararam para a prova. A qualificação do professor é hoje um gargalo para o desenvolvimento do país.

ZH convidou especialistas a se unir aos vestibulandos nesse debate.

Cerca de 30 mil candidatos do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) tiveram de refletir domingo passado sobre o futuro do país. Na prova de redação, eles não tiveram, porém, que tratar das conquistas da economia, dos desafios da primeira mulher eleita presidente ou das expectativas para a Copa do Mundo e da Olimpíada.

Nas 50 linhas, os estudantes tiveram de dissertar sobre a valorização dos professores, um dos principais desafios que o Brasil precisa enfrentar para qualificar a educação e alcançar os tão almejados patamares das nações desenvolvidas.

O teste se baseou, entre outros elementos, em uma reportagem da Zero Hora sobre o pouco interesse dos jovens em se tornar professores e de dados de vestibulares da própria universidade, apontando a baixa procura por cursos que preparam educadores. Cursos noturnos de licenciatura como Física e Matemática chegaram quase ao fundo do poço. De cinco candidatos por vaga em 2005, hoje atraem respectivamente 1,71 e 1,84 candidatos por vaga.

A missão era explicar esse desprestígio e indicar sugestões para revalorizar a profissão. Os vestibulandos opinaram em um debate em que três décadas de governos, especialistas e a própria categoria batem cabeça.

- Tivemos avanços importantes nos últimos anos, com a universalização do ensino e o criação de sistemas de avaliação do alunos. Mas agora é preciso abrir o caixa e investir pesado no professor e na escola. Estamos numa encruzilhada. Para que o país avance, é preciso qualificar a educação - sustenta Regina Scarpa, coordenadora pedagógica da Fundação Victor Civita.

Regina afirma que para voltar a atrair, a profissão precisa ser melhor remunerada e ter no horizonte um futuro promissor, com planos de carreiras sólidos e formações continuadas.

- Para atrair os melhores entres os melhores é necessário incentivo, do contrário vamos continuar com professores sem preparo e ensino cada vez pior - aponta.

A chance de mudança está na esteira do crescimento econômico do país, segundo o professor Cesar Callegari, membro do Conselho do Movimento Educação para Todos.

- Haverá uma demanda crescente de professores com qualidade, preparados para darem conta de uma nova era. Acho que vamos experimentar uma grande transformação, com mercado em ascensão e o hiperdesenvolvimento na qualificação - acredita.

gustavo.azevedo@zerohora.com.brclique aq

Fonte: Site 15º Núcleo
Por Siden 

Grêmio empata com Lajeadense na abertura do Gauchão 2 a 2
15.01.11 - 19:41
De volta à elite após 11 anos, time do interior buscou a igualdade depois de estar perdendo por 2 a 0
O Lajeadense demorou 11 anos para conseguir voltar à primeira divisão do Campeonato Gaúcho. Reestreou no Gauchão neste sábado – em grande estilo. A equipe comandada por Benhur Pereira surpreendeu o Grêmio em pleno estádio Olímpico. Após sair perdendo por 2 a 0, buscou o empate no segundo tempo, garantindo um ponto, na estreia de ambos na Taça Piratini, o primeiro turno do estadual.

Rafael Marques e Jonas abriram o placar para o Tricolor. Porém, na segunda etapa, Paulo Rangel e Ramos deixaram tudo igual e determinaram um ponto para cada time. Na próxima rodada, o Grêmio visita o Ypiranga, em Erechim. Já o Lajeadense volta a campo contra o Inter-SM, no estádio Florestal.
[...]
http://www.camera2.com.br/noticia_ler.php?id=257475

Cuba afirma que medidas de Obama representam golpe a conservadores

15.01.11 - 17:36
As medidas do presidente norte-americano, Barack Obama, para diminuir as restrições contra Cuba não são uma grande mudança de política, mas marcam uma derrota para aqueles que querem uma linha-dura contra a liderança da ilha, disse o governo cubano em seu site oficial.

Obama emitiu uma ordem executiva na sexta-feira diminuindo as limitações contra viagens e transferências bancárias dos Estados Unidos à nação caribenha, aumentando os esforços para estender a mão à população.

Na primeira reação do governo cubano, o site oficial do Estado informou que a medida indicava que muitas pessoas nos EUA eram a favor de amenizar o embargo comercial e a política de isolamento, impostas há décadas por Washington contra a ilha.

Segundo a declaração, o afrouxamento das restrições era um golpe para a nova chefe da Comissão de Assuntos Estrangeiros da Câmara dos Deputados, a republicana nascida em Cuba, Ileana Ros-Lehtinen.

"A decisão é a primeira derrota de Ros-Lehtinen, que assumiu seu cargo no Congresso prometendo endurecer as políticas contra a ilha", dizia o artigo publicado na noite de sexta-feira.

http://www.camera2.com.br/noticia_ler.php?id=257474

Siguiendo el guión de Bush...
En una nueva provocación, urdida siguiendo los guiones que estableciera el "Plan Bush para Cuba", funcionarios del Departamento de Estado Norteamericano se reunieron en nuestra Capital con un grupo de contrarrevolucionarios. Según el "Camaján" Elizardo Sánchez, en encuentro sirvió para que EEUU reiterara su  "claro compromiso" con la causa de los derechos... gusanos.

Declaración del Ministerio de Relaciones Exteriores

El 13 de enero del 2011, aprovechando la visita que realizaron a Cuba, para participar en la ronda de conversaciones migratorias, la jefa de la delegación norteamericana, Roberta Jacobson, subsecretaria asistente principal para asuntos del Hemisferio Occidental del Departamento de Estado, acompañada por la subsecretaria asistente para Centroamérica, el Caribe y Cuba, Julissa Reynoso, el Jefe de la Oficina de Asuntos Cubanos, Peter Brennan y el Jefe de la Sección de Intereses de Estados Unidos en La Habana, Jonathan Farrar, se reunieron con un grupo de mercenarios, cuyas actividades contra el orden constitucional cubano son dirigidas y financiadas por el Gobierno de los Estados Unidos.

Previo a la celebración de la ronda migratoria, el Ministerio de Relaciones Exteriores trasladó claramente a los representantes del Gobierno de los Estados Unidos su rechazo a cualquier intento de utilizar esta visita de carácter oficial a Cuba para realizar actividades ofensivas e irrespetuosas hacia nuestro país.

El Ministerio de Relaciones Exteriores de Cuba denuncia esta abierta provocación de altos funcionarios del Departamento de Estado, que constituye una violación flagrante de los principios y las normas internacionales que rigen las relaciones entre los Estados y una ofensa a nuestro pueblo que por más de 50 años ha enfrentado la política de hostilidad y bloqueo del gobierno de los Estados Unidos.

Esta acción confirma una vez más que no hay cambios en la política de subversión e injerencia de los Estados Unidos en los asuntos internos de Cuba y que su prioridad sigue siendo alentar la contrarrevolución interna y promover actividades de desestabilización, a la vez que recrudece el bloqueo y la persecución de las transacciones comerciales y financieras cubanas en el mundo entero.

El Ministerio de Relaciones Exteriores, al reiterar la disposición ya expresada por el gobierno cubano de sostener un diálogo respetuoso sobre cualquier tema con el gobierno norteamericano, siempre que este sea entre iguales, sin menoscabo a la independencia, soberanía y autodeterminación de nuestro país, ratifica que no tolerará injerencia alguna de los Estados Unidos en los asuntos internos de Cuba y utilizará todos los mecanismos políticos y legales a su alcance para enfrentarla.

13 de enero de 2011
(Tomado de Cubaminrex)
Por Sergio Weber, Professor Estadual.

Governo do Estado abrigará 50 empresas no Estande do RS na Couromoda
Empresas de 16 cidades gaúchas, inclusive Novo Hamburgo, participarão do espaço.
Da Redação - 15 de janeiro de 2011 - 14h43
Porto Alegre - O Governo do Estado promove a participação de 50 micro e pequenas empresas do setor coureiro-calçadista do Rio Grande do Sul na 38ª Couromoda - Feira Internacional de Calçados, Artigos Esportivos e Artefatos de Couro, que ocorre a partir desta segunda-feira (17) até quinta-feira (20), no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo. A iniciativa visa a propiciar aos empresários prospectar negócios junto aos mais de 70 mil visitantes, entre lojistas e distribuidores de todo o Brasil, além de importadores de 61 países presentes no evento.

O Governo gaúcho investiu R$ 265 mil na locação de um estande coletivo, com área total de 1.022 metros quadrados, por meio do Programa de Apoio à Participação em Feiras, coordenado pelas secretarias de Desenvolvimento e Promoção do Investimento e de Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa. A ação conta com a parceria financeira do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RS) e com o apoio institucional da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI-NH/CB/EV).

A Couromoda é o mais importante evento para negócios e lançamento de moda no mercado de calçados e artigos de couro. Segundo seus organizadores, cerca de 25% do total de vendas anuais da indústria brasileira de calçados costumam ser fechadas ou encaminhadas na Couromoda.

Empresas de 16 cidades gaúchas estão representadas no evento:
Três Coroas - A C Feier; Calçados Laguna; JJ Cardoso e WW Designer
Antônio Prado - A. K. Indústria e Comércio do Vestuário
Igrejinha - Agro Latina; Calçados D Hoff e Tiziani Calçados
Novo Hamburgo - Augusto Cardoso & Cia; Aurum Exportações; Calçados Delai; César Aloísio Dellagustin Junior; Estilo Verão Calçados; Bolsas Europa; Isotec Indústria de Componentes para Calçados; Line Export Comercial Exportadora e Neiva Maria Clementz.
Sapiranga - Calçados Daiely; Jaki Calçados; Maristeli Indústria e Comércio de Calçados; Naty Brinquedos; Usafort Indústria de Calçados; Vestígios Calçados e Yaco Participações
Farroupilha - Calçados Lhombre
Estância Velha - Hoff Indústria de Calçados, Roma Artefatos de Couro;
Picada Café - Indústria de Artefatos de Couro Emme
Parobé - Calçados Dissoldi; Calçados Dubai; Liberty Comércio e Representações e Scalcon & Scalcon
Cerro Largo - Calçados Fitz
Campo Bom - J. L. de Menezes; Mancini Artefatos de Couro; Nangi Indústria e Comércio de Bolsas e Calçados; Osmar Ritter; Primma Bags; PSCO Indústria, Comércio e Representação; REE Comércio e Assessoria Empresarial e Tricouro Bolsas e Artefatos em Couro
São Sebastião do Caí - L. V. Luvas e Artefatos de Couro
Bento Gonçalves - M4 Acessórios de Moda e Pelleteria Brasil Artefatos e Acessórios
Taquara - Pelli Brasil Indústria e Comércio de Artefatos de Couro
Santo Antônio da Patrulha - S. C. Calçados; Starmac Shoes e Ramon Rabelo de Souza
Porto Alegre - Imperial Indústria de Bolsas e Macbebe Indústria e Comércio de Calçados.

http://www.jornalvs.com.br/site/noticias/mercado,canal-8,ed-5,ct-591,cd-301628.htm

Antônio Britto em alta rotatividade

O ex-governador Antônio Britto é um executivo de alta rotatividade. Após sair à francesa do Estado em 1998, deixando a trasmissão do cargo de governador para Olívio Dutra sob a responsabilidade do então vice-governador Vicente Bogo, Britto acumula várias passagens pela privada, pela iniciativa privada (aahahaah).

Em 2003, Britto ingressou como executivo da Azaléia Calçados, e foi alçado diretor-presidente da empresa, com a morte do então presidente da Azaléia, Nestor de Paula. Em 2005, envolveu-se em uma polêmica nacional, ao fechar uma unidade da fábrica no Rio Grande do Sul, demitindo 800 funcionários, ao mesmo tempo que abria uma unidade na China. Desgastado com os herdeiros de Nestor de Paula, por conta de um relacionamento conflituoso, no final de 2006 anunciou seu desligamento da Azaléia, por demissão.

Em 2008, a operadora Claro, do mexicano Carlos Slim (América Móvil), também dono da Embratel, contratou o ex-governador como um dos vice-presidentes da empresa. Britto atuava na área de assuntos corporativos, com o objetivo de organizar as relações da empresa com os públicos externos e com o Congresso (hummmmmmm).

Desde o primeiro dia de governo de Yeda Crusius, Britto atuou com um conselheiro informal da ex-governadora, numa espécie guru, apontando o caminho "certo" (aahahahahhaha) para aquela senhora que já foi tarde.

Em maio de 2009, Britto assumiu a presidência da Interfarma, entidade que representa a indústria farmacêutica. O convite havia sido recusado há mais de um ano, mas agora a Interfarma fez uma proposta que o ex-governador considerou “irresistível”. Britto, segundo informações coletadas, foi contratado a peso de ouro, e "coincidentemente" o Ministério da Saúde e as indústrias de remédios debatem a concessão de patentes para fórmulas polifórmicas (o polimorfismo se refere a diferentes formas de uma mesma substância química que pode ser utilizada na fabricação de medicamentos).

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) tem posição favorável à concessão dessas patentes polimórficas, o que contraria a posição do Ministério da Saúde, que alerta que isto pode comprometer o crescimento da indústria dos genéricos e encarecer os remédios, em especial, àqueles usados pelas farmácias e hospitais do Sistema Único de Saúde. Segundo meu colega João Manoel (o Maneco), para bom espremedor, meia laranja basta. Ou seja, se o debate está no campo político, parece óbvio que a contratação de Britto – que como homem público sempre foi um fervoroso privatista – tenha se dado muito mais pelas suas capacidades (lobísticas?) nesta área do que, propriamente, por seus dotes de executivo. Afinal, ele não para mesmo muito tempo em empresa nenhuma.

Segundo o Ministério Público eleitoral a Interfarma é uma entidade de classe, o que não permitiria tais contribuições.Com isso, tenta anular a aprovação da contas de candidatos que recebram doação da entidade. No entanto, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul entende que, por não receber verbas públicas, a Interfarma não pode ser considerada entidade de classe. O certo é que temos que ficar atentos aos movimentos dessa entidade e de seu executivo de alta rotatividade. Britto conhece muito bem os caminhos do Congresso Nacional.

Campanha eleitoral 2010

Fiz uma rápida pesquisa no TSE para verificar o quanto e para quem a Interfarma fez doações na campanha eleitoral aqui na terra guapa. Abaixo estão os candidatos beneficiados pela Interfarma, que está sob o Cnpj 31.118.508/0001-12.

100.000,00 MANUELA PINTO VIEIRA D AVILA PC do B
150.000,00 OSMAR GASPARINI TERRA PMDB
50.000,00 RENATO DELMAR MOLLING PP
150.000,00 DARCÍSIO PAULO PERONDI PMDB
50.000,00 ONYX DORNELLES LORENZONI DEM







Do Blog Tomando na Cuia

3 comentários:

Carlos disse...

Valorização do professor: Por enquanto, na prática, só como tema de redação...

Tio Noé disse...

Estou achando que o Tarso vai precisar de um bafo na nuca a fim de olhar para o Servidor gaúcho, para o Magistério e lembrar do documento assinado (Piso, IPE, liberações, etc.). Alô, 14º!

Valdecy Alves disse...

Leia e entenda o porquê do piso do professor ter sido fraudado desde aprovação da lei nacional, que criou o piso. Se gostar, comente e divulgue. NÃO HAVERÁ EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, QUANDO O MÍNIMO QUE É UM PISO SALARIAL PARA O PROFESSOR NÃO PARAR DE SER VIOLADO E AS VERBAS DO FUNDEB CONTINUAREM SENDO DESVIADAS. Ver matéria no seguinte link: http://www2.mte.gov.br/cnes/cons_sindical.asp