Seguidores

Sejam Todos Bem Vindos!!! Deixem seus comentários, sugestões e críticas

Parabéns Educadores e Demais Cidadãos Gaúchos!!! Yeda (Nota Zero, Déficit Zero e Aumento Salarial Zero) Já Foi Demitida, MAS, deixou seus representantes no Governo e na Assembleia Legislativa!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

A solidão política de Yeda Crusius

Manifestantes saíram às ruas de Porto Alegre nesta sexta-feira (14) para pedir o afastamento dos envolvidos em denúncias de corrupção no governo do estado do Rio Grande do Sul. Eles usaram placas em tamanho real dos políticos (Foto: Roberto Vinícius/Agência Free Lancer/AE)


Foto: Míriam Kuhn

A tentativa de organizar uma manifestação de apoio a Yeda Crusius, ao lado do ato que pediu o impeachment da governadora, hoje pela manhã, no Palácio Piratini, expôs a solidão política do PSDB. Em um primeiro momento, cerca de 20 pessoas acenavam bandeiras de plástico na passarela de entrada da Assembléia, pedindo “Fica Yeda”. Por volta do meio dia, esse número foi reforçado por mais duas dezenas de manifestantes, alguns deles CCs do governo em hora de almoço. O fato que chamou a atenção, porém, foi a ausência de qualquer bandeira ou militante dos partidos da base de apoio do governo. Apenas algumas bandeiras de plástico do PSDB. Nada mais. Do outro lado, milhares de manifestantes pediam o impeachment da governadora. Enquanto isso, na Assembléia, era anunciada a aprovação do requerimento para a instalação da CPI da Corrupção.

Um dos destaques do ato foram os bonecos algemados, representando Yeda Crusius e os demais acusados, pelo Ministério Público Federal, de formação de quadrilha. No alto de um caminhão, o deputado Raul Carrion, do PC do B, criticou a postura da Brigada Militar que tentou apreender faixas e cartazes dos manifestantes consideradas “ostensivas”. “No Rio Grande do Sul, a Constituição não vale mais. O coronel Trindade precisa entender que a Brigada Militar não pode ser guarda pretoriana da governadora ré. É uma instituição do Estado, não da governadora”. O ato público transcorreu sem maiores problemas. Um frei ligado à Via Campesina foi detido pela Brigada, acusado de jogar um ovo contra apoiadores de Yeda. Estranhamente, ele chegou a ser levado para dentro do Palácio Piratini. Com a intervenção de organizadores do ato e de parlamentares, foi retirado de dentro do Palácio e encaminhado para uma delegacia. No final do ato, Carlos Crusius, (ex?) marido da governadora, apareceu numa janela do Palácio, levando uma grande vaia. Os escassos apoiadores de Yeda deram início a uma pequena guerra verbal que durou alguns minutos. Um brigadiano que trabalhava no local comentou baixinho:

“Quanto é que eles estão ganhando?”
http://www.cpers.com.br/index.php?menu=1&cd_noticia=2098

Um comentário:

Tio Noé disse...

Bárbara Kilp, deu o recado dos estudantes caras-pintadas para Yeda. “Ela não diz que é gaúcha? Pois então ela que prepare a erva e comece a rezar, porque vai ter peleia!”